Treinos garantem adaptação

Equipes fizeram, nessa quinta, primeiros testes no local, para se ambientar às novas referências

iG Minas Gerais | quiDANIEL OTTONI |

Bem maior. Jogadores das duas equipes tentam se adaptar, durante os treinos locais, com a magnitude das dimensões do Mineirinho
PEDRO GONTIJO / O TEMPO
Bem maior. Jogadores das duas equipes tentam se adaptar, durante os treinos locais, com a magnitude das dimensões do Mineirinho

Até para quem está acostumado com o Mineirinho, considerado um templo do esporte mineiro, as dimensões do ginásio impressionam. Inaugurado em 1980, o poliesportivo já sediou alguns dos maiores momentos de modalidades como vôlei e futsal, além de ser palco do recorde de público (cerca de 26.000 pessoas) durante Brasil e Itália pela Liga Mundial, em 1995.

Nessa quinta, o Mineirinho recebeu os primeiros treinos de Sada Cruzeiro e Sesi-SP, que farão no domingo, às 10h, a final da Superliga masculina em jogo único. A partida será transmitida ao vivo pela Rede Globo.

Nesta sexta e neste sábado, os times terão mais oportunidades de continuar se ambientando ao ginásio. Adaptar-se às referências é o principal objetivo dos times, que jogaram toda a temporada em ginásios de dimensões distintas.

“O Mineirinho é muito diferente do ginásio do Riacho e do CT do Barro Preto. Ele é grande e precisamos dessa adaptação. Existe, por exemplo, uma dificuldade maior para sacar. Parece que a bola fica mais pesada, e é necessário fazer mais força para colocá-la do outro lado. Estes três dias serão bastante proveitosos para termos a perfeita noção de espaço”, destaca o ponta Filipe, do Sada.

Quem também sentiu a diferença foi o central Sidão, do Sesi-SP. Apesar de já ter atuado no Mineirinho várias vezes, a maior parte delas com a seleção brasileira, ele ressalta a importância de se adaptar ao novo ambiente.

“É completamente distinto da Vila Leopoldina. Aqui é muito grande e ficamos centralizados, ao contrário de ginásios menores, onde ficamos perto da torcida. Isso aqui é uma imensidão”, coloca Sidão.

Por mais impressionados que os jogadores tenham ficado, a expectativa para ver as arquibancadas lotadas é grande. Um dos mais animados é o ponta Leal, do Sada Cruzeiro, que jogará pela primeira vez no ginásio. “Vai ser especial por ser a primeira decisão em um lugar com muita história. Já fico impressionado com a nossa torcida em Contagem, e agora só fico imaginando o Mineirinho lotado”, destaca o ponteiro.

Descontração

Sem stress. Antes dos treinos dessa quinta, as duas equipes já fizeram algumas brincadeiras para descontrair o ambiente e se aquecerem.

O Sada Cruzeiro optou pelo manchetão para abrir o seu treino. Já pelo lado paulista, os jogadores preferiram trocar os pés pelas mãos e jogar uma breve “pelada”, com gols reduzidos. A equipe vencedora faz questão de provocar os adversários antes do treino ser levado a sério.  

Molico-Nestlé e Sesi iniciam duelos por uma vaga na final No sétimo encontro de Molico-Nestlé-SP e Sesi-SP na temporada, a briga vale vaga na grande final da competição. A partida será nesta noite, no ginásio José Liberatti, em Osasco, às 21h30, e as comandadas de Talmo de Oliveira tentarão quebrar a invencibilidade do grupo do interior paulista, que chega a 28 jogos. Para as atletas da equipe da casa, mesmo com a boa fase é necessário ter cautela nesta fase dos play-offs. “Um jogo pela semifinal de uma Superliga é um campeonato à parte. Tudo que foi feito até agora não terá muita relevância no momento em que entrarmos em quadra na sexta-feira (hoje). Será uma semifinal muito difícil e equilibrada, já que o Sesi tem uma grande equipe e é composto por grandes jogadoras”, avaliou a levantadora Fabíola. Para ela, é bom começar a série melhor de três jogando em casa, mas o time sabe que terá que fazer seu papel dentro da partida. “Essa é uma vantagem que conquistamos, mas o que realmente vale é o que acontece dentro de quadra e estamos muito bem preparadas para isso”, afirmou.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave