Horário atípico de jogo pela Libertadores traz famílias para o Horto

Horário um tanto que ingrato para duelo entre Atlético e Zamora acabou favorecendo o comparecimento das famílias no estádio

iG Minas Gerais | JOSIAS PEREIRA E THIAGO PRATA |

Família atleticana vai ao Independência para ver Galo x Zamora
JOAO GODINHO/ O TEMPO
Família atleticana vai ao Independência para ver Galo x Zamora

Quando o atleticano pegou a tabela da Libertadores e viu o duelo com o Zamora, da Venezuela, marcado para às 17h30 de uma quinta-feira, logo vieram os pensamentos sobre as possíveis 'desculpas' para comparecer ao Independência. Mas o horário um tanto que ingrato favoreceu o comparecimento das famílias no estádio, caso por exemplo de Leandro Pereira de Melo, empresário que veio lá de Formiga, centro-oeste de Minas, para assistir o Atlético pela primeira vez no Independência.

"Estava a trabalho, mas consegui uma folga e trouxe toda a família para cá", afirmou Leandro, que estava acompanhado de seus filhos João, Lucas e Matheus, e também pela esposa Aline.

"Vim de longe para ver o Galo jogar. Só não gostei muito do preço salgado, ainda mais com duas crianças pequenas, eles não tem muita noção das coisas. Mas está tudo bem, vamos torcer por uma boa atuação hoje", completou Leandro.

Outro que também comparecei ao Horto pela primeira vez foi o visual merchandising Michael Vinicius. Acompanhado do irmão Ruan, ele era só alegria.

“Primeira vez aqui no Independência com meu irmão, o Ruan. Não queríamos perder essa oportunidade, ainda mais em um jogo que não tem tanta importância, pois o Galo já está classificado. Pra comprar ingressos foi até mais fácil. Estou na expectativa de uns 3 a 0 hoje. Vamos nos classificar em primeiro", disse.

Mas também tinha família que não estava se importando muito com o horário atípico. Vale tudo para ver o Galo jogar.

"Vários times sofreram com este horário na Libertadores, mas com atleticano não tem isto não. É qualquer horário mesmo. Eu estou matando serviço para estar aqui", afirmou o engenheiro Ricardo Peixoto.

Bastou o pai falar sua pequena loucura para acompanhar o Atlético, que a filha pequena de Ricardo, Uísla, tratou de revelar porque estava ali no Independência tão cedo.

"Estou matando aula", afirmou a menina, que ainda tratou de beijar o escudo do Atlético.

Leia tudo sobre: atleticogalofutebolesportecopa libertadores da americatorcedoreszamorahorario