Tinga exalta apoio de cruzeirenses e afirma: 'Exemplo para o Brasil'

Volante, alvo de preconceito racial por parte de torcedores do Garcilaso, elogiou comportamento da torcida do Cruzeiro

iG Minas Gerais | GUILHERME GUIMARÃES |

Torcedores não perdiam nem um lance do duelo decisivo no Gigante
DENILTON DIAS / O TEMPO
Torcedores não perdiam nem um lance do duelo decisivo no Gigante

Mineirão cheio, mais de 42 mil pessoas compareceram ao Gigante da Pampulha na última quarta-feira para assistir a vitória do Cruzeiro diante do Real Garcilaso (PER), resultado que garantiu a Raposa nas oitavas de final da Copa Libertadores da América.

Se os jogadores deram show dentro de campo, fora das quatro linhas não foi diferente. Mais do que a classificação azul na competição continental, o time celeste, principalmente sua torcida, serviu de exemplo para todo o Brasil.

Com máscaras alusivas ao volante Tinga, faixas de apoio e até com o corpo pintado, os cruzeirenses mostraram total apoio ao atleta, alvo do preconceito racial por parte da torcida do Real Garcilaso, no Peru.

Na visão do meio-campista, o comportamento dos cruzeirenses diante dos atos racistas precisa servir de exemplo para todos os outros clubes do país.

“A maneira escolhida pela torcida do Cruzeiro para mostrar sua indignação em relação ao que aconteceu no Peru, na minha opinião, tinha que ser adotada por todas as outras torcidas. Quando algo de desagradável acontecer, que se manifestem com muito apoio e carinho”, opinou o meio-campista.

Um dos grandes personagens da luta recente contra o racismo, Tinga não esteve em campo diante do Garcilaso. O jogador não foi relacionado pelo técnico Marcelo Oliveira e assistiu de um dos camarotes do Mineirão o jogo com o time peruano. Mesmo fora do gramado o jogador conseguiu sentir o clima e o forte apoio da China Azul.

“Nós jogadores, principalmente os que estiveram dentro de campo, sentiram esse apoio e corresponderam jogando um belo futebol. O esporte tem um poder muito grande, principalmente no Brasil, o país do futebol”, ressaltou, tecendo elogios ao comportamento pacífico dos cruzeirenses.

“O futebol tem um forte poder de influência e a torcida do Cruzeiro mostrou que é possível mostrar indignação sem arrumar confusão, sem brigar. A torcida do Cruzeiro dá um passo muito grande em nosso país”, disse, sem esquecer de mencionar o sabor especial da vitória.

“A vitória tem um sabor diferente, por gostar muito da Libertadores, e por ver a torcida se manifestar de uma forma pacífica e apoiar o nosso time o tempo todo”.

Leia tudo sobre: cruzeiroraposalibertadoresracismotingapreconceitomineirãoreal garcilaso