Joias que emitem sinal de alerta podem ajudar a reprimir estupro

Colares e pingentes também têm a função; item básico custa US$ 35

iG Minas Gerais | Da redação |

undefined

Enquanto no Brasil a polêmica pesquisa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) sobre violência contra a mulher continua a repercutir, nos Estados Unidos uma empresa de joias está investindo em modelos que podem ser uma arma contra o estupro.  

Em sua nova coleção, a Cuff lançou joias elegantes que vêm com um botão de emergência conectado por bluetooth a um smartphone – sendo bastante discreto – que, quando pressionado, permite que amigos e familiares sejam informados de que o usuário está em apuros.

A empresa apresentou colares, pulseiras e pingentes que foram projetados para estar na moda, mas que também são capazes de ter o dispositivo de segurança, que pode ajudar em diversas situações de risco. Essa opção foi batizada de CuffLinc.

Assim, os portadores podem sincronizar o dispositivo para seus smartphones. Por meio de um aplicativo para sistemas iOS e Android, o usuário pode configurar os contatos que gostaria de incluir em sua rede Cuff, como seus familiares, pais ou amigos próximos. Quando o usuário estiver em uma situação perigosa, ele pressiona o botão e, assim, é enviada imediatamente uma notificação para o seu círculo de proteção, que pode ver a sua localização por meio do sistema de GPS. O pacote básico da Cuff está disponível para pré-encomenda no site da empresa (www.cuff.io), a partir de US$ 35 (R$ 77).

Repercussão. Na semana passada, o Ipea admitiu o erro na pesquisa que afirmava que 65% da população concordava com a afirmação de que “mulheres que usam roupas que mostram o corpo merecem ser atacadas”. Na verdade, 26% dos entrevistados estavam de acordo com a afirmação.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave