Vargas renuncia a vice-presidência da Câmara dos Deputados

Em carta divulgada em seu site, Vargas diz que a renúncia foi para não prejudicar o andamento dos trabalhos da Mesa Diretora, e também para preservar a imagem da Câmara

iG Minas Gerais | Da Redação |

O deputado André Vargas (PT-PR) anunciou nesta quarta-feira (9) a renúncia ao cargo primeiro-vice-presidente da Câmara dos Deputados. A decisão, segundo ele, se deu após a abertura de um processo de cassação de seu mandato por suposta quebra de decoro parlamentar, em virtude de suas relações com o doleiro Alberto Youssef.

Em carta divulgada em seu site, Vargas diz que a renúncia foi para não prejudicar o andamento dos trabalhos da Mesa Diretora, e também para preservar a imagem da Câmara, de seu partido e de seus colegas deputados.

Relator

O deputado Júlio Delgado (PSB-MG) foi escolhido e aceitou ser o relator do processo de cassação de Vargas no Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Casa. Vargas pediu licença do mandato por 60 dias para se defender das acusações de envolvimento com o doleiro Alberto Youssef, preso pela Polícia Federal na Operação Lava Jato.

O parlamentar mineiro integra o Conselho de Ética há algumas legislaturas. No conselho foi relator do processo que levou à cassação do mandato do ex-ministro e ex-deputado José Dirceu, no final de 2005. Delgado informou que, na próxima semana, apresentará parecer preliminar pela admissibilidade da representação levada ao Conselho de Ética por três partidos: PSDB, DEM e PPS. Segundo ele, há provas suficientes para dar prosseguimento ao processo.

Delgado disse que cumprirá o prazo de 90 dias que o conselho tem para apreciar o processo. “Três meses é um prazo bastante suficiente porque, no caso em questão, temos muita prova pública e notória. A cada dia surgem novos fatos na relação de André Vargas com o doleiro”. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave