Atlético dá show tático e elimina o Barcelona na Liga

Classificação à semifinal é a quarta da história do Atlético, que foi finalista em 1974, quando perdeu para o Bayern, tricampeão seguido

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

Koke celebra gol que garantiu o Atlético de Madrid na semifinal da Liga dos Campeões
Uefa/Reprodução
Koke celebra gol que garantiu o Atlético de Madrid na semifinal da Liga dos Campeões

Acabou definitivamente a fase de coadjuvante do Atlético de Madrid. Um ano depois de ganhar a Copa do Rei vencendo o Real Madrid, o time de Diego Simeone conseguiu um feito histórico nesta quarta-feira, ao eliminar o Barcelona da Liga dos Campeões. Jogando em casa, no Vicente Calderón, venceu por 1 a 0 em gol marcado logo aos 5 minutos de partida, deu um show de rigor tático, e avançou à semifinal pela primeira vez desde 1974.

Sob o comando de Simeone, o Atlético já encerrou uma série de mais de uma década sem vencer o Real Madrid, levou a Copa do Rei da temporada passada e venceu a Liga Europa e a Supercopa da Europa de 2012. Atualmente, lidera o Campeonato Espanhol numa disputa emocionante contra Barcelona e Real.

O jogo desta quarta foi o quinto entre Barcelona e Atlético na temporada e o primeiro em que não houve empate. Novo confronto está marcado para 17 de maio, na última rodada do Campeonato Espanhol, no Camp Nou, talvez valendo o título espanhol.

A classificação à semifinal é a quarta da história do Atlético, que foi finalista em 1974, quando perdeu para o Bayern, tricampeão seguido. Em 1959, o algoz da semifinal foi o Real Madrid, que faturaria o tetra consecutivo naquele ano. Além desses três times, também o Chelsea está na semi desta temporada.

Já o Barcelona, com Neymar, fica fora de uma semifinal pela primeira vez desde a temporada 2006/2007. Desde então, havia conquistado dois títulos e sido eliminado quatro vezes na semi. Na próxima quarta a equipe tem decisão da Copa do Rei, contra o Real Madrid.

O JOGO - Sem poder contar com Diego Costa e Ardan Turan, para muitos os dois melhores jogadores da temporada na equipe, esperava-se que o Atlético de Madrid fosse ter uma postura inicial mais conservadora. Mas o time madrilenho surpreendeu o Barcelona jogando no ataque.

A recompensa veio logo aos 5 minutos. Adrián Lopes, substituto do turco, bateu forte pela direita da área e acertou o travessão. No rebote, Villa cruzou, Adrián ajeitou de cabeça para o lado oposto e Koke apareceu como homem surpresa para abrir o placar, livre na pequena área.

O Atlético viu que a pressão dava certo e seguiu ameaçando. Aos 10, Koke passou para Villa, que acertou a trave de Pinto. Oito minutos depois, mais uma bola no travessão, novamente com Villa. O goleiro do Barça, de novo, ficou batido no lance.

Apesar do ferrolho montado por Simeone, o Barça conseguiu algumas chances, mas perdeu todas. Messi, de cabeça, subiu sozinho no meio da área e mandou para fora. Na base da individualidade, Neymar passou por três, jogou entre as pernas de Gabi, cruzou para Messi, mas o argentino errou o chute.

Na segunda etapa, o brasileiro teve duas vezes a chance de empatar. Numa, tentou driblar Courtois, mas o goleiro saiu bem aos seus pés. Na outra, antecipou-se muito bem à marcação para tentar de peixinho. A bola, caprichosa, saiu rente à trave. Xavi também pelo alto, foi outro que desperdiçou oportunidade clara.

Tata Martino ainda tentou arrumar as coisas com Alexis Sánchez no lugar de Fabregas e Pedro no de Iniesta. Mas o dia era mesmo do Atlético de Madrid, que ainda perdeu um gol com Koke.