Bolsonaro afirma que Dilma é 'mentirosa' e que nunca foi torturada

Deputado federal também chegou a defender a ditadura militar durante entrevista ao programa 'Agora é tarde', com o humorista Rafinha Bastos

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

BETO OLIVEIRA/AG. CÃMARA - 4.5.2011
undefined

O deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ) voltou a criar polêmica com suas opiniões a favor do golpe militar de 1964 e a ditadura instalada na época. Em entrevista ao programa 'Agora é tarde', com o humorista Rafinha Bastos, o militar chegou a chamar Dilma Rousseff de mentirosa, já que a presidente 'nunca foi torturada', como diz ser.

"Dilma Rousseff está escandalosamente mentido. É tudo mentira dela, aliás, muitos daquela época mentem sobre isso. Eles planejavam instaurar uma ditadura como é a de Cuba. Era uma guerra. A tortura é uma arma de guerra" disse.

"Ninguém ali estava nas ruas pedindo pelo fim da corrupção, o que, aliás, não tinha na época. Ou você conhece algum militar que ficou rico com aquele governo?" continua Bolsonaro. 

Além de criticar a presidente, Bolsonaro chegou a chamar o ministro Celso Amorim, da Defesa, de 'covarde', 'frouxo' e 'cagão'. "Celso Amorim não foi com o exército para a Maré com medo de levar um 'tirinho'. Nós temos um frouxo no comando do ministério da Defesa. Um covarde, um cagão. Um comandante precisa estar junto com a tropa, não na sala, com ar-condicionado e tomando whisky".

Outro ponto polêmico da entrevista foi quando Rafinha Bastos, após Bolsonaro dizer que repudia o uso da maconha, afirmar que havia fumado antes do início do programa. "Eu vou te dizer que eu fumei maconha a minha vida inteira e não fui para outras drogas. Aliás, eu vou te falar que eu fumei maconha antes de te entrevistar", disse o humorista. "E ainda te digo mais: eu fumo maconha com o meu pai", completou.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave