Quadrilha presa faz índice de homicídios diminuir em Contagem

Quatro integrantes do grupo que usava menores para atrair as vítimas têm, no mínimo, seis homicídios no currículo; em um deles, três corpos foram espalhados pela rua do Industrial após a execução

iG Minas Gerais | JULIANA BAETA |

Grupo aterrorizava população do Industrial e Cidade Industrial em Contagem
OSVALDO RAMOS
Grupo aterrorizava população do Industrial e Cidade Industrial em Contagem

Quatro integrantes de uma quadrilha especializada em homicídios foram presos e apresentados na manhã desta quarta-feira (9) no Departamento de Investigação de Homicídios e Proteção à Pessoa. O grupo usava adolescentes para atrair as vítimas, geralmente, usuários de drogas. O líder da quadrilha está entre os detidos e foi apontado pelos policiais como um homem cruel e sem nenhum sentimento de culpa.

De acordo com o delegado Alex Machado, Fábio Justino Guimarães, 29, que seria o cabeça do esquema, já foi condenado por um assassinato ocorrido em 2010, e tem outros seis homicídios no currículo, junto com os comparsas André Alves Silva, 28, Hudson de Castro Oliveira, 31, e Daniel Rodrigues Viana, 22.

Além dos assassinatos, o grupo também atuava no tráfico de drogas e roubo de carros. Para atrair as vítimas para os bairros Industrial e Cidade Industrial, em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte, eles usavam menores. A função deles era ligar para as vítimas e atraí-las para a região, na maioria das vezes, usando a promessa de drogas.

Todas as vítimas, apesar de nenhuma ter passagens pela prisão, tinham envolvimento com o crime, seja com os roubos de carros, seja com o tráfico de drogas. A motivação era alguma desavença relacionada a esses delitos, por exemplo, um usuário de drogas que não pagou a dívida. Os homicídios aterrorizavam a população da região, já que, na maioria das vezes, eram cometidos de forma bastante violenta. Algumas vítimas eram executadas com muitos tiros, entre 20 e 30 disparos.

Um dos crimes mais lembrados pela comunidade foi um triplo homicídios ocorrido em dezembro do ano passado no bairro Industrial, quando Fabiano Luar Passos, 38, Leonardo Amaral Melo, 33, e Rogério Oliveira de Jesus, 37, foram assassinados pela quadrilha e tiveram seus corpos espalhados pela rua.

O delegado classifica o líder do grupo como um homem extremamente cruel. “Ele não tinha nenhum sentimento de culpa. Conseguimos chegar até o grupo porque os familiares dos menores que eram usados por eles, passaram algumas informações que nos ajudaram a checar os boletins de ocorrências dos assassinatos ocorridos. Após a prisão deles, a última delas, de Fábio, ocorrida há cerca de duas semanas, o índice de homicídios na região diminuiu consideravelmente”, disse Machado.

Outros suspeitos que têm ligação com a quadrilha ou com outras quadrilhas autoras de homicídios continuarão sendo investigados. Os quatro detidos poderão responder por homicídio, corrupção de menores, tráfico de drogas, formação de quadrilha e furto de carros. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave