Super Ténéré XT1200Z 2014

A top de aventura da Yamaha tem potência maior e recebeu mais preparo para o uso fora de estrada

iG Minas Gerais |

Motociclista caiu sob a roda de caminhão do seu lado
ZC Jacaré/divulgação
Motociclista caiu sob a roda de caminhão do seu lado

A Super Ténéré XT1200Z já era a uma das principais tops do segmento de aventura, e a Yamaha aprimorou o modelo 2014 (na Europa), que recebeu melhorias no motor e na ciclística, entre outras, ficando mais capacitada a se aventurar no fora de estrada que, porventura, possa surgir num fim de asfalto. Acertos finos na suspensão e na posição de guiar; o guidão está 10 milímetros mais próximo do piloto. As suspensões têm várias opções de ajustamentos que facilitam a vida do condutor, que modifica o amortecimento sem parar a moto, de acordo com o tipo de estrada. Novo painel com LCD e computador de bordo completo, além do para-brisa, mais alto e mais largo, com regulagem manual (sem ferramenta) de altura, que melhora a proteção e o conforto. Para completar o banco tem regulagem de altura. O DNA explorador e competitivo foi mantido e ampliado, sem perda do conforto e segurança. Caixa de força O motor da Super Ténéré XT1200Z 2014 apesar de moderno foi refinado e melhorado com novos anéis, pistões remodelados e portas de escape e admissão redesenhadas, que aumentou o torque e a potência em 2 cv, ficando ainda mais dócil. Tem dois cilindros gêmeos paralelos de 1.199 cc, com refrigeração líquida e comando DOHC com oito válvulas. O sistema de lubrificação é por cárter seco, que facilita a centralização e o rebaixamento do peso, melhorando a estabilidade. A nova XT1200Z vem equipada com os mesmos aparelhos e recursos da anterior como o controle de tração, que pode ser desligado, e três modos de potência do motor etc. As rodas, mesmo sendo raiadas, são de alumínio e calçam pneus sem câmaras. Os freios são conjugados e o ABS, de série, continua não podendo ser desligado como seria bom num modelo que se presta a andar em trilhas, mesmo que mais leves. Nos EUA é oferecido dois modelos, o Padrão e o ES, com controle eletrônico de suspensão e punho aquecido, com preço de U$ 16.190, perto de R$ 36 mil. MOTONOTÍCIAS Moto e caminhão mais a imprudência, na maioria das vezes do motociclista (nesse caso), têm resultado em muitas mortes . É o que tem registrado as diversas notícias do nosso Arco da Morte (Anel Rodoviário) e da BR-381 de Contagem. Em quase todos os acidentes que vitima motociclistas há o ingrediente caminhão. Será que ninguém reparou nisso? Os motociclistas, principalmente, deviam parar para analisar esse fato real e trágico. Triste. Por que isso acontece?

Moto e caminhão podem conviver bem no trânsito. Mas muitos imprudentes motociclistas se arriscam a passar por entre dois veículos grandes o que, uma hora, acaba resultando em acidente fatal. O condutor e a moto se misturam e viram uma pasta irreconhecível, difícil de ser separada e recolhida pelo rabecão. Uma cena horrível, que em muitos dos casos poderia ser evitada. Devemos fazer a mea- culpa. A maioria da culpa é dos motociclistas, pois arriscam a toda hora numa loteria que, se acertam, o prêmio ninguém quer, mas leva na marra. De moto não se deve passar entre dois caminhões nem com o trânsito parado. Nem parado. Para treinar o cérebro. E ele nos ajudará quando estivermos distraídos. É isso que tem dado causa aos esmagamentos de centenas de motociclistas todos os anos. Mas ninguém acorda. Uma simples atitude treinada; nunca passar entre dois grandalhões; nem parados, ajuda. Dessa forma, o risco de acidente e morte diminuiu muito. Motociclistas e motoristas de caminhão, igualmente, podem ser imprudentes, e muitos o são. Algum leitor pode agora estar pensando: mas os motoristas de caminhão são atrevidos e jogam em cima. Sim, isso pode ocorrer, mas há que considerar que muitas vezes a moto não é vista pelo condutor do grandão, que não freia como o condutor queria para evitar um acidente. Avisar com buzinadas ajuda muito. Estou triste, aterrado e alarmado com o número de mortes recentemente, que poderiam ser evitadas, se não todas, com certeza, a maioria. Motociclista, seja mais prudente, ajude o seu anjo da guarda. A moto chega na frente. Não precisa correr e se arriscar tanto. Essa é uma análise simplória, mas espero, sinceramente, que possa contribuir um pouco para diminuir a carnificina que tem ocorrido com moto, caminhão etc. nas BRs.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave