Para PBH, alíquota estava defasada

Nota justifica que Belo Horizonte tinha o ISS mais baixo entre as principais capitais do país

iG Minas Gerais | Juliana Gontijo e Pedro Grossi |

Atingido. Até setor de telemarketing teve a tributação aumentada em Belo Horizonte pela prefeitura
CHARLES SILVA DUARTE / O TEMPO
Atingido. Até setor de telemarketing teve a tributação aumentada em Belo Horizonte pela prefeitura

A Prefeitura de Belo Horizonte, através de sua assessoria de imprensa, disse em nota que “a secretaria de finanças não irá se posicionar” sobre o aumento do ISSQN para vários setores da economia da capital. Mas, no começo do ano, a PBH publicou uma nota justificando o aumento. No texto, o poder público municipal dizia que as alíquotas na cidade estavam defasadas. Diz o texto: “As alíquotas de ISSQN em Belo Horizonte encontravam-se seguramente entre as mais baixas de toda a Federação, sendo a menor entre as treze principais capitais brasileiras”.

O mestre em direito empresarial e tributário, Faiçal Assrauy, diz que nunca acompanhou uma escalada de alta de impostos tão grande na cidade. “Fazemos estudos tributários em outras cidades e nunca vi uma onda de aumentos como essa que está acontecendo aqui. “O que vai acontecer é que Belo Horizonte vai perder investimentos para outras cidades vizinhas, como já acontece na divisa com Nova Lima”.

Protesto. A quinta-feira promete ser movimentada em Belo Horizonte. Além do encontro do prefeito Marcio Lacerda com diversas entidades de vários setores que reclamam da alta do ISSQN, está prevista passeata de empresários da capital, que se juntam a empreendedores de todo o país numa caminhada em protesto contra a excessiva carga tributária, a burocracia, a corrupção e as altas taxas de juros do país. A passeata está marcada para 18h, no centro.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave