Os gols mais bonitos das Copas: Garrincha estufa as redes búlgaras

Anjo das pernas tortas deixou a sua marca em única vitória da seleção brasileira no Mundial da Inglaterra

iG Minas Gerais | JOSIAS PEREIRA |

Caçado pelos adversários, Garrincha desfila seu talento pelos campos ingleses
SITE OFICIAL/FIFA/REPRODUÇÃO
Caçado pelos adversários, Garrincha desfila seu talento pelos campos ingleses

No dia 12 de julho de 1966, o Brasil, à época bicampeão do mundo, fazia sua estreia na Copa da Inglaterra. O palco para o confronto diante dos Búlgaros era o Goodison Park, em Liverpool, um dos estádios mais tradicionais e antigos da Grã Bretanha. Dentro de campo, Pelé e Garrincha chamavam a atenção dos quase 48 mil pagantes, que se apertavam pelas cadeiras para ver se o Brasil era tudo aquilo mesmo que tanto falavam.

Mas aquela Copa tinha tudo para dar errado, a começar pela caricata preparação comandada pelo técnico Vicente Feola. Para aquela edição de Mundial, nada menos que 47 jogadores foram convocados. Era tanto atleta que Feola tinha que dividir os jogadores em quatro times.

Para completar, a preparação da seleção foi sediada em cinco cidades diferentes.  Às vésperas do Mundial, Feola enfim fez os cortes necessários e definiu o time que viajaria para a Inglaterra. Uma verdadeira mescla entre atletas que haviam disputado os dois últimos mundiais e jogadores que ainda iriam ser destaques, casos de Gérson e Tostão.

Quando o árbitro alemão Kurt Tschenscher apitou o início de jogo na terra dos Beatles, os búlgaros abriram sua caixa de ferramentas. Pelé sofreu. Garrincha sofreu. Detalhe: naquela época não havia substituições, nem mesmo cartões amarelos e vermelhos. Resultado: os craques brasileiros foram caçados em campo. Mas a virilidade dos europeus não foi capaz de parar a técnica brasileira. Aos 14 minutos do 1º tempo, Pelé abriu o placar.

O jogo continuou apertado em Goodison Park. Os búlgaros tentavam alguma coisa com seus atacantes Yakimov e Kolev, mas não tinham êxito em suas finalizações. Foi aí que aos 17 minutos do 2º tempo, Garrincha fez o gol que abre a série dos gols mais bonitos de todas as Copas.

Uma cobrança de falta na ponta direita. Quatro homens na barreira. E lá partiu o anjo da pernas tortas. Com sua camisa 16 nas costas, uma pancada com a direita. A barreira nem se mexeu. Do jeito que ele pegou, a bola subiu, subiu para ganhar o ângulo esquerdo do goleirão Georgi Naydenov. Ele até se esticou, voou para fazer a defesa, mas a bola morreu no fundo das redes. 2 a 0 para o Brasil. Aquela foi a única vitória da seleção brasileira naquela Copa e também a última vez que Pelé e Garrincha jogaram lado a lado.

Veja o belo gol de Garrincha:

Veja também o jogo completo: