Após onda terrorista, polícia queniana prende mais de 3 mil pessoas

Ativistas de direitos humanos criticaram a operação, dizendo apenas somalis foram alvo das forças de segurança

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Autoridades do Quênia disseram que ao menos três mil pessoas foram presas nos últimos quatro dias em operações de segurança depois de uma onda de ataques terroristas no país.

O porta-voz da polícia Masoud Mwinyi disse nesta terça-feira que a maioria dos detidos foram interrogados por agentes de segurança e em seguida liberados. Porém, 447 pessoas ainda são mantidas sob custódia sob a acusação da lei antiterrorismo, que permite que a polícia mantenha presos suspeitos por mais de 24 horas.

Ativistas de direitos humanos criticaram a operação, dizendo apenas somalis foram alvo das forças de segurança. Os grupos também estão preocupados com o tratamento dos suspeitos pelos policiais.

O Quênia sofreu um onda de ataques armados atribuídos a um grupo militante somali. Militantes do Al-Shabab prometeram realizar ataques terroristas no Quênia para vingar a presença do militar queniana na Somália, que enfrenta um combate contra insurgentes.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave