Balanço da SIP considera o Brasil, o país 'mais perigoso'

Com quatro mortes, num total de nove em todo o continente americano nos últimos seis meses, o Brasil marcou-se como o país mais perigoso da região para os jornalistas

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Com quatro mortes, num total de nove em todo o continente americano nos últimos seis meses, o Brasil marcou-se como o país mais perigoso da região para os jornalistas.

Os relatórios de 25 países, lidos e aprovados nesta segunda-feira (7), no encerramento da Reunião de Meio de Ano da Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP), em Barbados, no Caribe, apontam mais dois mortos no México, outros dois em Honduras e um na Colômbia.

No encontro anterior, em Denver, nos EUA, o balanço foi de 14 mortes, duas delas no Brasil. A próxima reunião será em outubro em Santiago do Chile.

O texto final de Barbados fala em "violência galopante" e "claros retrocessos" para a liberdade de informação na América Latina, além de "um aumento no nível de autocensura" na Argentina, Peru, México e Honduras. Isso se deve aos maiores cuidados dos editores e repórteres ao divulgar informações, confrontados com o risco de altas multas e processos.

Um dos destaques é a "angustiante situação" da Venezuela, onde o governo vem dificultando a compra de papel e pelo menos 20 jornais estão ameaçados de parar de circular dentro de dois meses. A imprensa do país "vive seu momento mais dramático", com 105 jornalistas detidos desde outubro "e agressões e ameaças sem precedentes".

Dos demais relatórios, os da Argentina, Equador, México e Colômbia são também preocupantes. O argentino acusa o governo de fazer da publicidade oficial "uma arma para premiar ou castigar" aliados e adversários.

Na Colômbia, além dos dois mortos outros cinco crimes prescreveram e 142 seguem impunes. O relatório do Equador adverte que o governo aprovou novo Código Penal e passou por decreto uma Lei de Comunicações.

Até o relatório dos Estados Unidos mereceu atenção especial: o informe relata os conflitos entre a mídia e o governo, que aumentou as restrições para divulgar informação.

Leia tudo sobre: estudopesquisarelatório