População rejeitou construção

iG Minas Gerais |

A proposta de construir o centro administrativo estava avançada na capital, tanto que, em setembro do ano passado, como mostrou reportagem de O TEMPO, a Prefeitura de Belo Horizonte publicou decreto autorizando a desapropriação de cerca de 20 imóveis para abrigar o complexo.

Na época, Lacerda havia confirmado, inclusive, a existência de um “pré-projeto”. Os terrenos alvos do decreto eram as ruas Bonfim e Além Paraíba, próximos à avenida Pedro II. E, de acordo com o Plano Plurianual de Ações Governamentais (PPAG), havia uma estimativa de gastos de R$ 300 milhões com o empreendimento da prefeitura.

Porém, uma série da manifestações populares começou a ocorrer na região. De um lado, a prefeitura usava como argumento a pretensão de revitalizar a região que, apesar de abrigar grande parte da história de Belo Horizonte, tem sofrido com o abandono e a violência. Do outro lado, a população local justificou que o trânsito ficaria intransitável, prejudicando mais os moradores. (IL)

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave