Moradores de ocupação fecham avenida Severino Ballesteros, em Contagem

Grupo promete fechar avenida até encontro com a presidente Dilma Rousseff, às 15h desta segunda-feira (7)

iG Minas Gerais | JOSÉ VÍTOR CAMILO |

Cidades - Do dia - Contagem - MG
Entrevista com o presidente do Ceasa Minas 
Na foto: Ceasa e terreno onde sera a obra e hoje esta a  ocupacao William Rosa

FOTO: MARIELA GUIMARAES / O TEMPO 13.03.2014
MARIELA GUIMARAES / O TEMPO
Cidades - Do dia - Contagem - MG Entrevista com o presidente do Ceasa Minas Na foto: Ceasa e terreno onde sera a obra e hoje esta a ocupacao William Rosa FOTO: MARIELA GUIMARAES / O TEMPO 13.03.2014

Cerca de 250 moradores da ocupação William Rosa fecham na manhã desta segunda-feira (7) a avenida Severino Ballesteros, próximo ao Ceasa, em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte. O objetivo é pressionar para que um encontro prometido com a presidente Dilma Rousseff, que já está na capital mineira, realmente aconteça às 15h. 

De acordo com Roberto Verônica, membro da direção do movimento Luta Popular,  os moradores fizeram uma assembleia no começo da manhã desta segunda. "Queríamos fazer a manifestação na cidade, mas como a presidente abriu espaço para uma renegociação, atendendo o movimento popular de luta pela moradia esta tarde, nós nos decidimos por fechar a avenida em frente à ocupação, no sentido Pampulha, até mesmo para pressionar o encontro", explica. 

A reunião contará com membros de várias ocupações, como William Rosa e Guarani Kaiowá, em Contagem, e as três localizadas no vetor norte da capital, Rosa Leão, Esperança e Vitória.  O encontro estaria previsto para acontecer às 15h, no Sambódromo de Contagem. "A previsão é de que só liberemos a avenida após o fim da reunião", disse Verônica. 

Os moradores da ocupação William Rosa estão mobilizados há algumas semanas contra a liminar de reintegração de posse determinada pela Justiça. "Entramos com um embargo declaratório tentando reverter essa decisão. É um terreno que há dúvida sobre a propriedade, não está documentalmente correto", alega o membro da direção do movimento. 

Ainda segundo os moradores, nos próximos sete dias as mobilizações da ocupação devem se intensificar, uma vez que está marcado para o próximo dia 14 de abril o pregão que escolherá a empresa privada que ocupará o terreno.