'Baile funk do Pezão' termina com sete pessoas detidas no São Gabriel

Entre os suspeitos estão os organizadores do evento, que teriam incitado à violência contra militares; segundo populares, tiradores pretendiam invadir festa para vingar duas mortes que aconteceram três horas antes

iG Minas Gerais | CAROLINA CAETANO |

Um baile funk no bairro São Gabriel, na região Nordeste de Belo Horizonte, terminou com cinco homens presos e um menor apreendido na noite deste domingo (6). Os organizadores do evento incitaram à contra os militares que atenderam a ocorrência.

Segundo a Polícia Militar, após três pessoas serem baleadas em uma outra rua do bairro, militares deslocaram até a rua Ana Maria Pereira de Menezes e perceberam que estava acontecendo uma festa em uma casa.

“Assim que chegamos, fizemos contato com dois seguranças. Quando os organizadores perceberam que a viatura estava na porta do local soltaram uma gravação de uma música informando que o 'bando da 24 da Polícia Militar' estava chegando”, contou o major Anderson Ferreira Sales, da 24ª Companhia do 16º Batalhão.

Ainda segundo o major, cerca de 200 pessoas estavam no evento. Os organizadores foram abordados, entre eles o menor, e, próximo a caixa de som, foram encontrados sete pinos de cocaína cheios e vários vazios. Além dos homens da organização e dos seguranças, foram detidos um DJ e um bombeiro civil.

“Essa festa não acontecia todo fim de semana. Para entrar no baile funk era preciso pagar. Os organizadores cobravam R$ 15 de mulheres e R$ 35 de homens”, disse o militar.

Os sete suspeitos foram detidos três horas após a morte de duas pessoas na região. Populares contaram que dois homens foram até o baile e, em seguida, voltaram na rua São Gregório e, em seguida, começaram a atirar. Uma terceira vítima levou um tiro no pênis e é atendido no Hospital de Pronto-Socorro João XXIII.

“Alguns populares informaram que, após o crime, cerca de 20 pessoas armadas planejavam entrar no baile para vingar as mortes dos amigos. Os atiradores voltaram para a festa depois do tiroteio. Se não tivéssemos chegado antes, a tragédia poderia ser maior e muitas pessoas poderiam ter morrido”, explicou o major.

Os seis presos serão encaminhados à Central de Flagrantes (Ceflan) do bairro Floresta, na região Leste da capital, e o menor será levado para o Centro Integrado de Atendimento ao Adolescente Autor de Ato Infracional (CIA/BH).  

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave