Médica de JF tentou voltar com ex-noivo após mutilação de pênis

Acusada negou para vítima que tivesse cometido o crime; em depoimento, a jovem afirmou que o homem era possessivo

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Médica estava morando no interior de São Paulo
FACEBOOK / REPRODUÇÃO
Médica estava morando no interior de São Paulo

A médica de Juiz de Fora (JF), na Zona da Mata mineira, acusada de mandar mutilar o pênis do ex-noivo em 2002, ainda tentou voltar a namorar com o homem após o ataque. A mulher foi presa na última terça-feira (1º).

De acordo com o portal UOL, após o crime, a jovem pediu para reatar e ainda mandou e-mails com declarações de amor. Myriam Priscilla de Rezende Castro ainda afirmou que não havia mandado mutilar o órgão de Wendel José de Souza.

“Eu quero falar que eu ainda te amo, mais do que isso, talvez eu te ame mais hoje do que antes. Eu estava com raiva de você, só pensava em contar as coisas pro meu pai. Agora, sinto vontade de te abraçar, de cuidar de você, de ter com você o cuidado que nunca tive antes. Eu amo você”, escreveu em uma das mensagens.

Ainda segundo ela, após contratar detetives particulares, descobriu que o mandante do crime seria um homem identificado como “Claudinho”.

Já em  depoimento à Justiça,  Myriam disse que o ex-noivo era possessivo e não tinha interesse em voltar com Souza, uma vez que pretendia casar e ter filhos, o que seria inviável  depois do crime.

A mulher também negou que tivesse ameaçado a vítima e seus familiares.

A médica está presa na Penitenciária Feminina Estevão Pinto, na região Leste de Belo Horizonte.

Caso

Em 2002, Myriam foi condenada a seis anos de prisão por ter contratado dois homens para agredir Wendel José de Souza, que havia rompido o noivado três dias antes do casamento.

A mulher teria contado com a ajuda do pai, Walter Ferreira de Castro, atualmente com 76 anos. Além disso, antes do crime, a médica teria incendiado a casa e o veículo na vítima.

No dia do crime, Souza estava acompanhado do irmão, que chegou a desmaiar ao ver a cena. Após o crime, a acusada foi para Barbacena e continuou trabalhando como clínica geral até o fim de 2013.  

Leia tudo sobre: PÊNISMÉDICAEX-NOIVO