Comédia com dose autoral

Marcius Melhem e Marcelo Adnet se unem para criticar a televisão de forma descontraída e com humor

iG Minas Gerais | anna bittencourt |

Ânimo. Equipe de “Tá no Ar: a TV na TV” demonstra sintonia e animação com a nova produção
Luiza Dantas/CZN
Ânimo. Equipe de “Tá no Ar: a TV na TV” demonstra sintonia e animação com a nova produção

Marcius Melhem e Marcelo Adnet estão juntos em uma nova empreitada. A fim de atuar em um programa em que possam dar pitacos, os humoristas juntaram esforços para criar uma produção autoral, com a cara deles. Da união, nasceu o “Tá no Ar: a TV na TV”, que estreia na quinta, dia 10, às 23h30. Nos dez episódios da primeira temporada – existe a possibilidade de uma volta após a Copa do Mundo –, a intenção é fazer um apanhado geral do que existe na TV, assim como acontecia nos extintos programas como “TV Pirata” e “Satyricon”. “É como se o telespectador tivesse perdido o acesso ao controle remoto. Nós vamos zapear entre novelas, comerciais, jornais...”, apresenta Marcius. “A gente critica os gêneros, os tipos, mas sem apontar um dedo, sem imitação direta”, completa Adnet. Na prática, o programa será formado por esquetes de diferentes tamanhos que procuram dialogar de forma ampla com o que é exibido na TV: de programas de auditório a debates eleitorais, passando por clipes musicais e dramaturgia.

O projeto, que vem sendo desenvolvido desde junho do ano passado, conta com Marcius e Adnet como redatores finais. “Criei uma ideia na cabeça e fomos construindo juntos o conceito”, revela Marcius, que também conta com Maurício Farias como diretor de núcleo do projeto. Além de dirigir a dupla, Farias ainda cuida de mais nove atores: Danton Mello, Veronica Debom, Luana Martau, Carol Portes, Georgiana Góes, Márcio Vito, Maurício Rizzo, Renata Gaspar e Welder Rodrigues. “Queríamos um elenco que não fosse óbvio e que, claro, fosse de bons colegas. Um bom ambiente de trabalho é fundamental para o sucesso”, opina Adnet.

Para o processo de pesquisa e construção do humorístico, Marcius, Adnet e Maurício montaram uma equipe com outros sete roteiristas. “A elasticidade na parte de redação serviu para que pudéssemos aumentar nossa inspiração para criar as esquetes. Houve muita troca. Vídeos, sugestões, compartilhamentos... Foi muito orgânico”, enaltece Marcius, que garante que não haverá nenhum tipo de empecilho para falar da programação da Globo e de outros canais.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave