Onde a vida nos levar

A psicóloga Liliane da Costa Val Dabien não tem bola de cristal, nem fecha a porta da geladeira da verdade com o pé. Prefere combater a tal da reserva mental e explica como. Em sua alquimia, vale até erva de são João. Jura que a felicidade existe, mas aconselha, para uma melhor qualidade de vida, a independência financeira e emocional.

iG Minas Gerais |

“A felicidade existe em todos os lugares e momentos ou em nenhum deles. Depende do nosso script de vida”
Arquivo pessoal
“A felicidade existe em todos os lugares e momentos ou em nenhum deles. Depende do nosso script de vida”

Como vai essa louca vida louca? A imprevisibilidade do futuro acarreta muita instabilidade e esta, stress e depressão.

Como você se define profissionalmente? Procuro orientar meus pacientes para que se realizem, porém, continuo me permitindo aprender muito com eles. Não tenho bola de cristal, nem sou dona da verdade.

Sua agenda de pacientes está lotada? Mais do que de costume? Acho que muito trabalho nem sempre resulta em trabalho de qualidade, porém, a demanda tem sido maior. A minha agenda nunca esteve lotada.

Qual a doença da modernidade? Reserva mental. Lendo o último livro sobre Stalin, de Jean-Jacques Marie, deparei-me com a seguinte descrição: “Stalin nunca ria de maneira franca, contentando-se em sorrir. Não o vi uma única vez se exaltar, gritar, discutir, se emocionar. Numa só palavra, sair de sua reserva”.

O brasileiro definido como o mais feliz do mundo é mito ou realidade? Estive há poucos meses com profissionais da Europa (Alemanha, França Inglaterra e Espanha), Estados Unidos, e percebi que os conflitos e angústias têm a mesma origem. Não acredito que nós brasileiros sejamos superiores nesse aspecto, principalmente vivendo nesse contexto político.

Stress e depressão têm cura? Há vários caminhos para a cura ou minimização dos sintomas. O melhor? Todos integrados: yoga, meditação, psicoterapia, exercício físico, medicação. Vale até erva de são João. É preciso ter uma visão holística, porém, o ambiente familiar é decisivo. É como dizia o grande Oscar Wilde: “Todas as mulheres se parecem com suas mães. É a tragédia delas. Os homens, não. É a tragédia deles”.

 

O mal que nos aflige é o mesmo para todos? Jovens e mais velhos? A linha que permeia ambos é semelhante em alguns aspectos. Os jovens têm apresentado um limiar à frustração muito baixo. É uma geração de príncipes e princesas sem reinado e, quando veem, são sapos... Ocorre a frustração. Porém, como dizia Machado de Assis: “É melhor cair das nuvens do que do terceiro andar”. Quanto aos idosos, há uma preocupação de sobrevivência com qualidade. Ter uma vida com dignidade na terceira idade é fonte de stress.

A felicidade é como o “longe” daquele livro, um lugar que não existe? As pessoas acreditam no que querem acreditar. A felicidade existe em todos os lugares e momentos ou em nenhum deles. Depende do nosso script de vida. Portanto, acredite!

Que tipo de vida melhora a vida? Tenha metas. Seja independente financeira e emocionalmente. “Seu trabalho nunca te acordará numa manhã ensolarada e dirá a você que não te ama” (Lady Gaga).

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave