Tiroteio que matou criança foi motivado por ciúmes e acerto de contas

Dupla teria atirado contra rapaz que queria sair de facção criminosa e estaria namorando a ex de um deles

iG Minas Gerais | JOSÉ VÍTOR CAMILO |

Após matar criança, Filipe e Márcio ainda roubaram um carro e fizeram o dono refém
POLÍCIA MILITAR / DIVULGAÇÃO
Após matar criança, Filipe e Márcio ainda roubaram um carro e fizeram o dono refém

Acerto de contas entre ex-colegas de gangue e ciúmes. Estes são os dois motivos que levaram Filipe Ferreira da Silva e Márcio Emanoel dos Santos, ambos de 18 anos, a atirarem diversas vezes contra Diego Rafael Silva Ribeiro, de 21, e acabarem assassinando a garotinha  Giovanna Ramos Duarte, de 10 anos, no último dia 29 de março, em Santa Bárbara, na região Central do Estado. 

É o que explicou o delegado da cidade, Domiciano Monteiro, nesta sexta-feira (5), durante a apresentação dos dois suspeitos. "Os suspeitos e o alvo eram membros de uma gangue que atuava praticando roubos e tráfico de drogas nos bairros São Bernardo e São Vicente, na cidade. O Filipe era o líder e se revoltou porque o Diego queria sair da facção. Além disso, o alvo começou a namorar a ex do Márcio, o que também motivou o crime", disse o policial.

No dia do crime, Lucas Vinícius da Silva, de 18, que se entregou nesta quinta-feira (4) na cidade vizinha de Barão de Cocais, fez uma ronda na rua para verificar se a vítima realmente estaria lá, tendo passado pelo menos quatro vezes pela rua. Mais tarde, Filipe e Márcio retornaram com a motocicleta de Silva e o primeiro deles efetuou os diversos disparos após falar "você não está olhando na minha cara", falando com Diego. 

"A rua estava cheia, eles passaram lá várias vezes antes para constar isso e não pensaram. Ele errou os primeiros tiros e, quando estava quase acabando, acertou a criança. Na hora, o Diego, que corria, parou para fazer algo pela menina e acabou sendo baleado nas pernas", detalhou o delegado. Os moradores da rua se revoltaram e chegaram a agredir os suspeitos, que acabaram conseguindo fugir. 

A dupla foi presa na madrugada desta sexta em uma ação conjunta entre a Polícia Civil de Santa Bárbara, de Belo Horizonte e da Polícia Militar. Eles foram localizados em um barracão no Aglomerado da Serra, na região Centro-Sul de Belo Horizonte. "Não sabemos se eles alugaram a casa ou se era de amigos, pois eles não tem família na capital. Mas a questão deles terem roubado um carro para fugir ainda não foi confirmada, mas estamos investigando", disse o delegado.

A polícia chegou até o local onde eles estavam escondidos após fazerem uma operação em Santa Bárbara, cumprindo 20 mandados de prisão de pessoas ligadas aos suspeitos. A partir daí começaram a surgir indícios de que eles teriam fugido para Belo Horizonte. 

Terror

Ainda de acordo com o delegado Monteiro, os detidos aterrorizavam a vizinhança onde atuavam. "Eles eram do tipo que atira para o alto só para assustar a população. Além disso, o Filipe já é suspeito em um outro homicídio e teria ameaçado o alvo alguns dias antes do crime", lembra o policial. 

Em depoimento, os dois presos não confessam ter cometido o crime. Eles falam que vieram para a capital após descobrirem que estavam sendo procurados pela polícia. Filipe e Márcio estão Centro de Remanejamento de Presos (Ceresp) da Gameleira, mas podem ser transferidos para o interior. Eles estão presos com prisão temporária, mas a polícia entrará com o pedido de prisão preventiva em breve. 

Leia tudo sobre: Santa bárbaraaglomeradocriançamortetiroteioGiovanna Ramos Duarte