Com trabalho dobrado, PM garante paz em desembarque de Galo e Cruzeiro

Polícia Militar criou cordão de segurança para delegações de Cruzeiro e Atlético desembarcarem em Confins. Um time chegou duas horas depois do outro

iG Minas Gerais | FREDERICO RIBEIRO |

Na última quinta-feira, pela Libertadores, Cruzeiro e Atlético jogaram fora do Brasil no mesmo dia e, assim com foi com o horário de suas partidas, se 'apresentaram' no Aeroporto Internacional Tancredo Neves na manhã desta sexta-feira com apenas duas horas de diferença. Temendo um possível encontro de torcidas rivais em um local ocupado por várias obras, a Polícia Militar mineira teve êxito no trabalho de segurança e nenhum incidente foi registrado. "Realmente um dia atípico no aeroporto. Tivemos desembarque da delegação cruzeirense, e, posteriormente, da delegação do Atlético. Os dois times estão disputando competição internacional e que sempre atrai vários torcedores e curiosos para este tipo de acontecimento", afirmou o Tenente Laércio, responsável pelo comando do batalhão que foi até Confins. Para construir um ambiente de paz, a PM entrou em contato com líderes das duas torcidas organizadas de cada clube (Máfia Azul e Galoucura) para evitar um possível encontro. No fim, apenas os representantes do Cruzeiro conseguiram criar uma pequena aglomeração. Os atleticanos estavam presentes, mas pouco deles identificados com camisas do Galo. "Não tivemos nenhum incidente, graças a Deus, até mesmo porque as torcidas colaboraram com a gente, fizemos contato com as duas maiores organizadas, para que elas não se encontrassem no aeroporto, e graças a Deus, o trabalho ocorreu sem alteração", disse o policial. A Raposa voltou do Chile em um ambiente melhor. Praticamente classificada para as oitavas de final da Libertadores após vencer a Universidad de Chile por 2 a 0, os comandados de Marcelo Oliveira levarma cerca de 50 torcedores uniformizados ao aeroporto. Com apoio da PMMG, eles viram os ídolos de perto e os atletas azuis não tiveram dificuldade de chegaram até o ônibus da delegação. Já o Atlético estava de 'cara mais amarrada'. Abatidos mais pela viagem desgastante, eles voltaram com a vaga para o mata-mata carimbada, devido ao empate diante do Independiente Santa Fe-COL. A aeronave celeste vinda de Santiago posou na pista do Aeroporto de Confins por volta as 8h15, enquanto a delegação alvinegra atingiu terra mineira às 10h30.  Trabalho dobrado para o esquema de segurança da Polícia, mas tirando um pequeno desentendimento com a função da reportagem de O Tempo no local, tudo ocorreu na absoluta ordem.  Maior assédio dos cruzeirenses, mas quem tem que escoltar Ronaldinho para qualquer lugar precisa lidar com fãs exaltados. "Igual o Ronaldinho, teve um sujeito que agarrou ele na saída", completou o Tenente.

Leia tudo sobre: cruzeiroatleticolibertadoresconfinsdesembarquepolicia militarsegurancapaztranquilidadeSegurança