Pista cede na MG-020 e local é interditado sem previsão de liberação

Por causa das chuvas dos últimos dias houve o rompimento da galeria pluvial, fazendo com que a estrada cedesse em um espaço de quatro quilômetros de extensão; há o risco de erosão e nenhuma previsão de liberação da pista

iG Minas Gerais | JULIANA BAETA |

A MG-020, em Belo Horizonte, na saída de Santa Luiza, está interditada desde a manhã desta sexta-feira (4) por causa de uma cratera que se abriu. A pista cedeu entre os quilômetros 14 e 11, no sentido BH, e por causa do risco de quedas de carros no buraco, a via foi fechada até que os trabalhos terminem, o que ainda não há previsão de acontecer.

Segundo a Polícia Militar Rodoviária (PMRv), o canteiro central da via vai ter que ser quebrado para possibilitar um desvio pela pista oposta. Com duas faixas em cada sentido e com o sentido BH com as duas pistas completamente interditadas por causa da cratera, o sentido Santa Luzia teve que ter uma das pistas utilizada como desvio e direcionada ao sentido oposto, fazendo com que o tráfego funcione apenas em uma pista para cada lado.

Ainda de acordo com a corporação, os trabalhos que ocorrem desde as 7h tiveram que ser interrompidos porque o pneu de uma das máquinas furou. Os trabalhos serão retomados após a reposição do pneu e depois do horário de almoço. O motivo da pista ter cedido pode ter sido causada pela ação da chuva dos últimos dias, que teria causado o rompimento de uma rede da Copasa no local. No local, há um forte cheiro de esgoto.

Autoridades competentes

A PMRv ainda informou que foram acionadas todas as autoridades competentes: o Departamento de Estradas de Rodagem de Minas Gerais (DER-MG), a Defesa Civil Municipal, a Sudecap e a Copasa, mas até o início da tarde apenas DER-MG e Defesa Civil estiveram no local.

Segundo a Defesa Civil, o rompimento da adutora causou a erosão da via, fazendo com que a pista cedesse. O local foi isolado.

Procurada pela reportagem, a Copasa, que até as 12h desta sexta-feira (4) ainda não havia chegado ao local, segundo a PMRv, informou, por meio de nota, que enviou técnicos ao local para a vistoria e que "a avaliação inicial não apontou relação do ocorrido com o rompimento da rede coletora de esgoto nem de abastecimento de água da empresa, que permanecem com condições estruturais normais". 

A Copasa também afirmou que há indícios de que o problema esteja relacionado à drenagem pluvial da rodovia e que, portanto, a responsabilidade é do DER-MG. "A Copasa está acompanhando os trabalhos do DER-MG no local. Caso haja necessidade de intervenções, por parte da Companhia, a empresa tomará as providências necessárias", finalizou.

O DER-MG informou não há um prazo para a resolução total do problema e é provável que se abra uma licitação para o projeto de obras no local. Segundo o órgão, o pior trecho é no quilômetro 11, onde foi constatado o rompimento da galeria pluvial, de acordo com as avaliações técnicas. 

Já no quilômetro 12 houve uma queda de barreira, mas os funcionários do DER-MG já estão no local providenciando a limpeza da pista e no quilômetro 14, o bueiro que estava entupido, já foi desobstruído,

 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave