Recepcionados por torcedores, Cruzeiro desembarca com missão cumprida

Jogadores tinham semblante de alívio e alegria pela vitória essencial que mantém bem viva a chance de a Raposa classificar para as oitavas de final

iG Minas Gerais | FREDERICO RIBEIRO |

No Aeroporto Internacional de Confins, a rotina mudou mais uma vez com a chegada de uma delegação de futebol. Mas o horário (por volta das 8h30) não impediu que o Cruzeiro tivesse uma recepção, mesmo que humilde, de sua torcida, após a vitória contra a Universidad de Chile, na noite de quinta-feira, pela Libertadores.

Cerca de 50 torcedores - não contando os curiosos - cantaram e festejaram à espera da chegada dos jogadores. Cansados pela viagem sem parada, os atletas celestes tinham semblante de alívio e alegria pela vitória essencial que mantém bem viva a chance de a Raposa classificar para as oitavas de final da Libertadores. Agora, basta vencer o Real Garcilaso, no Mineirão, na próxima quarta-feira, e se livrar do vexame de ser eliminado já na fase de grupos.

Comandados por um integrante da Máfia Azul, que tentava empolgar quem conseguiu acordar cedo e rumar para Confins, os torcedores viram o presidente Gilvan de Pinho Tavares e o diretor de futebol Alexandre Mattos serem os primeiros a desembarcar (logo depois do médico Sérgio Freire Jr.). Para o presidente azul, a vitória foi através de um grande esforço dos jogadores. "Jogaram com brio e inteligência, com vontade e tiveram a competência de vencer", afirmou Gilvan.

Bastante satisfeito com o que viu no Estádio Nacional, do Chile, o mandatário da Raposa falou na disputa pelo título e lembrou da campanha de 1997, quando o Cruzeiro também patinou para ir até o mata-mata daquela edição.

"Os jogadores brigaram, mostraram que os tropeços que tivemos foi uma coisa que poderia acontecer com qualquer clube, mas estamos determinados de que precisamos passar de fase e vamos procurar vencer o título da Libertadores, porque é o nosso grande objetivo", completou.

Leia tudo sobre: cruzeiroraposafutebolchegadajogadoresLibertadoresconfinsLa u