Restaurantes do Sul da Itália

iG Minas Gerais |

A Campania é uma região fascinante da Itália. Ao mar, a viagem de carro pela Costiera Amalfitana descortina paisagens deslumbrantes. Aqui, a torre de uma igreja bizantina, de nítida inspiração oriental, ali um penhasco com casas brancas, penduradas sobre o mar, acolá um rochedo fincado no azul do Mediterrâneo. A parada na Grotta Azzurra é superlativa. É de tirar o fôlego a beleza das pedras e da água cristalina, trespassada pela luz do dia, que penetra no umbral da caverna em muitos matizes de azul. A fome nos leva à Via San Lorenzo D’Amalfi 34, onde fica a trattoria Da Maria. Amalfi tem muitas opções de restaurante e os pescados são a melhor pedida, invariavelmente. Os Spaghetti ai Fruttidi Mare vieram com mexilhões, camarões e vôngolis, fora de sua casca, como pedimos, facilitando a vida do cliente. Os anéis de lula fritos, à romana, estavam crocantes e sequinhos. Porções generosas, tempero preciso, massa excelente, atendimento alegre, cortês e solícito, somados à atmosfera familiar da cantina tornaram inesquecível a experiência. A prosa com o garçom sobre a Copa do Mundo e os muitos encontros entre Brasil e Itália se repetiria em muitos estabelecimentos da Calábria e da Sicília. A conta surpreendeu: 57 para dois em um dos destinos turísticos mais sofisticados da Itália é uma pechincha, mesmo se levada em conta a simplicidade do estabelecimento. No dia seguinte, viajamos para conhecer as ruínas de Pestum, cidade da Magna Grécia. Esculturas, joalheria e uma enorme coleção de ferramentas e utensílios etruscos, gregos e romanos integram um excelente museu arqueológico, ignorado pela maioria dos brasileiros que visita a Itália. Tudo isso sem falar nos quatro templos gregos cuja estrutura arquitetônica acha-se praticamente intacta! Depois que você tiver conhecido Pompeia, aventure-se por Pestum e não se arrependerá. Almoçamos na confortável Osteria Re Baldovino, em Battipaglia, cidade vizinha às ruínas. A comida é apenas regular. Tomara que da próxima vez encontremos o Campinola, restaurante indicado pelo amigo Vincenzo, do Agriturismo La Grotta, em Corbara. O jantar, centenas de quilômetros depois, circulando por rodovia de pista dupla e sem pedágio, foi na ótima Trattoria Baylik, na Via Vico Leone 1, em Reggio Calabria. O restaurante é confortável e tem clientela numerosa. As plaquinhas com o nome da casa te conduzem facilmente até lá. A garçonete, atenciosa e delicada, trouxe à mesa sem demora salada com tomates e azeitonas incomparáveis, berinjela e abobrinha grelhadas, estupendas, sopa de pescado aromática e capaz de aquecer a alma e peixe espada assado irretocável. O preço? <SC128> 50 para dois, com direito a um verdicchio honesto. Reggio Calabria é inexpressiva, mas parada obrigatória para quem segue de carro rumo à Sicília. Sugiro a hospedagem no confortável Hotel Continental, juntinho do porto, onde se pega o barco com destino a Messina, em vários horários ao longo do dia. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave