A voz Celeste

iG Minas Gerais |

Meus amigos leitores sabem como eu tenho falado insistentemente neste espaço que as categorias de base são a redenção dos clubes de futebol do Brasil e de todo o mundo. Vejamos que o maior de Minas, para esta viagem ao Chile, levou quatro jogadores feitos em sua base. Esse é, sim, um número significativo, porque só viajaram 21 atletas com a delegação celeste para o jogo contra a Universidad de Chile. Temos que lembrar que bons valores ficaram na Toca da Raposa. Fora Vinícius Araújo, que foi negociado para a Europa no começo deste ano. Tenho visto um crescimento muito bom da base celeste, que agora, além de fazer o que é para ser feito – formar jogadores para o profissional – tem beliscado alguns títulos importantes. O futebol é caro, e venho avisando há vários anos: se os clubes não se cuidarem, a coisa vai ficar bem pior do que está.

Avacoelhada

O América está classificado para a segunda fase da Copa do Brasil. Na vitória sobre o Santos-AP, por 3 a 0, em Macapá, André, Pablo e Júnior Negão estrearam. Carlos Renato permaneceu entre os titulares. Elvis teve mais uma oportunidade para demonstrar condições de brigar pela titularidade e permanecer na equipe. Segundo comentários de Émerson Romano, quando o Coelho colocou a bola no chão, a superioridade técnica prevaleceu, e várias situações para ampliar o placar foram criadas. O próximo adversário vai ser o vencedor do confronto entre Bahia e Villa Nova. Aliás, o nome de Mancini, que defende o clube de Nova Lima, está na lista das contratações especuladas para a Série B. Existe a necessidade de avaliar se o jogador está preparado fisicamente para disputar competição de nível bastante dinâmico e superior ao do Mineiro.

A voz da Massa

Saudações alvinegras! Numa decisão de campeonato, qualquer vantagem que se tenha, por  menor que seja, já é um grande negócio.E na decisão do Estadual, que começa neste domingo, esse benefício está com o nosso arquirrival, por ter feito a melhor campanha na fase de classificação. Mas, no ano passado, também foi assim. O rival jogava por dois empates ou dois resultados iguais, e logo no primeiro confronto, no Horto, o Galo simplesmente pulverizou essa vantagem ao golear o adversário por 3 a 0. E depois, na segunda partida, só precisou administrar o placar para se sagrar biCAMpeão mineiro. Sinceramente, eu não estou nem um pouco preocupado com essa vantagem adversária. A história vai se repetir, o Galo vai vencer bem em casa e vai ao Mineirão para fazer mais uma festa, desta vez pelo tri. E tenho dito! Amanhã falaremos de Galo x Santa Fe.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave