Praia Clube quer repetir última atuação para classificação histórica

Time de Uberlândia faz, nesta sexta-feira, terceiro e decisivo jogo contra Sesi-SP; equilíbrio foi a tona das duas equipes na competição

iG Minas Gerais | DANIEL OTTONI |

Praia terá que superar torcida adversária para garantir primeira presença nas semifinais
ALEXANDRE ARRUDA - CBV
Praia terá que superar torcida adversária para garantir primeira presença nas semifinais

 

Em sua sexta participação na Superliga feminina, o Banana Boat-Praia Clube terá, nesta sexta-feira, a chance de chegar ao seu maior momento dentro da  competição. A partir das 21h30, em São Paulo, o time encara o Sesi-SP, no terceiro e último jogo das quartas de final. O Sportv transmite ao vivo. Quem vencer, encara o Molico-Nestlé-SP na briga pela decisão. Os três classificados (Unilever-RJ e Vôlei Amil-SP são os outros dois representantes) garantiram presença após duas partidas das quartas, deixando claro que o jogo entre Sesi e Praia tem o maior equilíbrio desta fase da competição.

Depois de perder o primeiro confronto da série fora de casa, o time mineiro descontou o revés, vencendo em Uberlândia e forçando o encontro decisivo. Na fase de classificação, os times terminaram com a mesma campanha (17 vitórias e nove derrotas), além de cada um ter vencido o jogo realizado dentro de seus domínios.

"Chegou a hora de quebrar este tabu. Precisamos vencer fora de casa para conseguir essa classificação histórica. Os números mostram a igualdade entre as duas equipes. Precisamos fazer como no último jogo, quando jogamos bem e mostramos regularidade", analisa o técnico Spencer Lee.

No triunfo, no último domingo, o Praia cometeu apenas 17 erros nos quatro sets disputados. No primeiro jogo, foram 29 falhas no mesmo número de sets realizados. "Nos comportamos muito bem e a torcida inflamou o time, deu uma motivação e força muito importante. Fomos mais competitivos. Foi uma vitória na base da superação. A vontade fez a diferença", esclarece o treinador, que acredita que o time precisará contornar alguns esperados problemas.

"Tentaremos jogar a pressão para o outro lado e evitar de cometer muitos erros. A expectativa é a melhor possível, sabemos que não vai ser fácil. É um jogo que define nossa vida na competição. Não podemos perder o foco e este desejo interno de fazer o melhor. Teremos alguns elementos diferentes, como a questão da torcida. Isso pode fazer com que queiramos ainda mais, já que mexe com o brio de cada uma", comenta o técnico. Último jogo serve de inspiração

A boa atuação do time no segundo encontro das quartas fez Spencer Lee realizar poucas modificações. O time trabalha forte para desempenhar bem seu papel e dar a menor carga possível de trabalho ao comandante. "Antes, eu fiz alterações por necessidade e para dar ritmo para algumas atletas. No último jogo, isso não foi tão necessário, todas jogaram muito bem. Elas possuem méritos por todas as dificuldades encontradas. É hora de ir com tudo", projeta.

A levantadora Juliana Carrijo também espera uma atuação dentro do que o time pode render. "Sabemos que é possível, mas precisamos errar pouco. Tivemos uma temporada de jogadoras indo e voltando, isso atrapalha. Estamos vivas e nos superando a cada jogo. Será uma batalha e queremos sair com a vitória", destaca.