Felipe Massa prevê fim de crise, mas volta a criticar Williams

Piloto voltou a criticar a estratégia adotada pela escuderia inglesa em relação a ele na prova realizada no domingo passado

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

Brasileiro acredita que polêmica  não vai se repetir
DIVULGAÇÃO/WILLIAMS
Brasileiro acredita que polêmica não vai se repetir

Felipe Massa voltou a falar, nesta quinta-feira, sobre a sua primeira crise como piloto da Williams. Um dia antes dos primeiros treinos livres do GP do Bahrein, marcado para este domingo, o brasileiro exibiu confiança de que o conflito vivido na pista com seu companheiro de equipe, Valtteri Botas, no GP da Malásia, não irá mais se repetir ao longo desta temporada da Fórmula 1. Entretanto, o piloto voltou a criticar a estratégia adotada pela escuderia inglesa em relação a ele na prova realizada no domingo passado, no circuito de Sepang.

"Eu acredito que o que aconteceu na última corrida não vai acontecer de novo", disse Massa, se referindo ao fato de ter ouvido pelo rádio do seu carro ordens da equipe para deixar o finlandês ultrapassá-lo, a quatro voltas do fim da prova, após ter frustrada sua tentativa de passar Jenson Button, da McLaren. Massa era o sétimo colocado e Bottas, o oitavo. "Não era correta (a ordem) e o momento certo para isso acontecer", completou.

Após receber a ordem, Massa ignorou a mesma e sustentou sua posição até a bandeirada, o que irritou o seu companheiro ao fim do GP da Malásia. O finlandês alegou que obedeceu outra ordem da equipe no início da corrida, quando a Williams o impediu de tentar passar o brasileiro. O ex-ferrarista, entretanto, pediu mais respeito por parte equipe e disse ter tomado a decisão certa.

Apesar deste conflito interno, Massa disse não acreditar que esse episódio afetou o bom relacionamento que vinha mantendo com todos integrantes da Williams, assim como pontuou nesta quinta que a equipe foi "a primeira a pedir desculpas" pelo ocorrido.

O piloto disse ainda que achou "engraçado" o fato de que a instrução que recebeu pelo rádio na corrida do último domingo, que acabou sendo ouvida ao vivo na transmissão da TV, foi praticamente idêntica à que ouviu de um engenheiro da Ferrari no GP da Malásia de 2010. Na ocasião, ele foi avisado de que deveria abrir passagem ao então companheiro Fernando Alonso, sendo que daquela vez ele aceitou a ordem e liberou a passagem para o espanhol.

"Ordens de equipe são parte do nosso esporte e precisam fazer parte do nosso esporte, mas só quando isso for necessário", disse Massa nesta quinta, quando também negou que esteja impondo a condição de piloto número 1 da Williams em detrimento ao fato de que seu companheiro ainda é um novato na F1. "Nunca pedi para qualquer equipe para ser o número 1, a equipe precisa ser igual" ressaltou.

Leia tudo sobre: felipe massaf-1formula 1automobilismoesportewilliamspolemica