Inundação para tomógrafos do HPS

iG Minas Gerais |

Os dois únicos tomógrafos do Hospital de Pronto-Socorro João XXIII (HPS) estão desde a noite de anteontem sem funcionar. As máquinas foram molhadas pelas chuvas que inundaram duas salas do hospital e devem permanecer inoperantes por pelo menos mais 24 horas, quando técnicos da Siemens, fabricante dos aparelhos, irão avaliar se houve danos. Cerca de 60 exames de diversos tipos são realizados por dia com os equipamentos.

Os pacientes que precisam passar por tomografias estão sendo encaminhados ao Hospital das Clínicas, ao Odilon Behrens, ao Hospital Júlia Kubitschek ou ao Centro de Tomografia Computadorizada de Minas Gerais – todos conveniados ao Sistema Único de Saúde (SUS).

Segundo Josely Ramos Pontes, da Promotoria de Defesa da Saúde de Belo Horizonte, os tomógrafos do HPS estavam com defeito no último dia 24 de março, quando ela se reuniu com a presidência da Fundação Hospitalar de Minas Gerais (Fhemig), que administra a unidade, para tratar do assunto. A assessoria da fundação informou que os tomógrafos passaram por um reparo no final do mês.

O setor de urgência do hospital também foi atingido pela chuva de anteontem, mas a área foi logo reparada e o atendimento normalizado, informou a secretária da Coordenação Médica do HPS, Elisene Pereira.

A Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte não soube informar quantos tomógrafos estão a serviço da rede púbica, mas alegou que o procedimento pode ser feito em oito hospitais e clínicas. Em nota, a pasta esclareceu que, atualmente, não existe fila de espera para exames de tomografia e ressonância magnética, e que o paciente aguarda no máximo 15 dias entre o agendamento e a realização do exame. (Caíque Pinheiro/Especial para O TEMPO)

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave