Eficiência no bloqueio é destaque do Sada Cruzeiro na temporada

Com os centrais Éder e Isac entre os 20 melhores no quesito, equipe voltou a ocupar sexta posição na lista

iG Minas Gerais | DÉBORA FERREIRA |

ESPORTES BH MG : TREINO SADA. NA FOTO: EDER E ISAC.

FOTOS: DENILTON DIAS / O TEMPO / 02.04.2014
DENILTON DIAS / O TEMPO
ESPORTES BH MG : TREINO SADA. NA FOTO: EDER E ISAC. FOTOS: DENILTON DIAS / O TEMPO / 02.04.2014

Líder em diversas estatísticas na CBV, o Sada Cruzeiro conseguiu melhorar mais um de seus fundamentos nesta Superliga. Com os centrais Éder e Isac, principalmente, os celestes montaram um “paredão azul”, estratégia que funcionou muito bem em jogos decisivos, como nas quartas de final, em que a equipe derrotou o Moda-Maringá-PR no segundo jogo e avançou às semi.

Os dois atletas deixaram o time no sexto lugar no quesito bloqueio e repetiram a melhor colocação alcançada nas últimas cinco temporadas. Depois da Superliga 08/09, o fundamento caiu de produção até chegar a um modesto 11º lugar na última temporada. Com a presença de Éder e Isac, que chegaram para a disputa desta edição, foram cinco posições a mais de uma temporada para o outra.

Além de ser uma das armas de contra-ataque e somar pontos valiosos, o bloqueio ainda cumpre um papel que os números não mostram: facilitam a defesa, especialidade em que os celestes também são destaque. “O saque tem entrado muito bem, ajudado bem. Sempre fazemos pontos de bloqueio, mas normalmente os números de amortecimento não aparecem na estatística, e eles facilitam a defesa”, destacou Éder.

Os resultados vêm de uma organização tática, comandada pelo técnico Marcelo Mendez, e evoluíram conforme foram se aproximando os confrontos decisivos. Para Isac, o time avaliou e aprendeu com os próprios erros.

“Trabalhamos bastante ao longo da temporada com bloqueio de defesa, e tem aparecido os resultados no jogo.  Todo mundo está ciente de que é necessário neutralizar a bola mais forte do jogador do time adversário. Nas decisões a gente faz tudo mais o que já estudou, já conhecemos o time adversário, olhamos o que fizemos errado, e isso tem sido feito com um olhar clínico”, explica ele.