Portuguesa entra na Justiça Comum para jogar Série A

Lusa tinha afirmado que não entraria na Justiça Comum nesta terça-feira

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

Ação foi distribuída na 43ª Vara Cível de São Paulo
Reprodução/Portuguesa
Ação foi distribuída na 43ª Vara Cível de São Paulo

A Portuguesa entrou na Justiça Comum contra a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) por uma vaga na Série A do Campeonato Brasileiro na tarde desta terça-feira. A ação foi distribuída na 43ª Vara Cível de São Paulo. A informação foi confirmada pelo vice-presidente jurídico da Lusa, Orlando Cordeiro de Barros. "Não quero comentar nada por enquanto. Vamos esperar que a ação caia na mão do juiz. Agora, seguiremos o rito normal", disse o dirigente, sem precisar em quanto tempo a ação será julgada.

A atitude da Portuguesa, desde que receba um parecer favorável da Justiça, pode comprometer o início do Campeonato Brasileiro, marcado para o dia 19 de abril. A tabela divulgada pela CBF traz a Portuguesa na Série B e o Fluminense na Série A fazendo, inclusive, um dos jogos de abertura do torneio.

A entrada na Justiça Comum acontece mais de um mês depois da decisão unânime do Conselho Deliberativo do clube. Dois fatores explicam a demora. O primeiro deles foi uma estratégia jurídica para dificultar o contragolpe da CBF para tentar um eventual parecer favorável à Lusa.

O segundo motivo foi financeiro. Mergulhado em uma crise sem precedentes, o presidente Ilídio Lico tentou várias vezes conseguir empréstimos com a própria CBF e a Federação Paulista de Futebol. Em todas as situações, ouviu que deveria desistir da vaga na elite para conseguir os adiantamentos. Na última segunda-feira, após nova resposta negativa das entidades, foi convencido pelo restante da diretoria, favorável à apelação.

No final do ano passado, a Portuguesa foi punida pelo STJD com a perda de quatro pontos pela escalação irregular do meia Héverton na partida contra o Grêmio, na última rodada do Campeonato Brasileiro. Com a pena, a Portuguesa foi rebaixada e o Fluminense permaneceu na Série A.

Desde o rebaixamento, vários torcedores entraram na Justiça Comum, inclusive com o movimento organizado "Vamos à Luta" buscando a anulação do julgamento do STJD com a argumentação de descumprimento do Estatuto do Torcedor. De acordo com a lei, todas as punições deveriam ser publicadas no site da CBF com antecedência, o que não aconteceu no caso Héverton. As ações foram cassadas, no entanto, porque os juízes entenderam que os torcedores não tinham legitimidade para defender os interesses do clube.

Leia tudo sobre: portuguesalusaserie acampeonato brasileirobrasileiraotapetaojustica comumpolemica