Médica de Juiz de Fora não mandou cortar pênis de ex-noivo, diz defesa

Segundo advogado, homem que mutilou a vítima apontou uma outra pessoa como mandante do crime; mulher está em presídio de Belo Horizonte

iG Minas Gerais | CAROLINA CAETANO |

Médica estava morando no interior de São Paulo
FACEBOOK / REPRODUÇÃO
Médica estava morando no interior de São Paulo

O depoimento do homem que cortou o pênis de um jovem em Juiz de Fora, na Zona da Mata, pode absolver a médica Myriam Priscilla de Rezende Castro, de 34 anos. Segundo a defesa da mulher, que foi condenada como mandante do crime, Flávio Natal de Araújo afirmou que ela e o pai não teriam envolvimento com o caso. A informação foi passada pelo advogado de defesa no início da tarde desta quarta-feira (12).

Marcelo José Cerqueira Chaves explicou que Araújo disse em setembro do ano passado que um outro homem teria mandado mutilar o órgão por causa de uma desavença com a vítima.

“Ele já passou o nome e sobrenome do mandante. A defesa pediu uma revisão criminal e, no próximo dia 14, vai acontecer uma fase de julgamento e a Myriam pode ser absolvida”, disse Chaves.

Caso a decisão não seja favorável, o advogado vai pedir a inserção da cliente no regime semiaberto, a qual ela foi condenada. Nesse regime, ela poderia exercer a medicina durante o dia.

A médica chegou em Belo Horizonte no fim da noite dessa terça-feira (1º) após ser presa saindo de um condomínio de luxo em Pirrassununga, no interior de São Paulo. Ela está na Penitenciária Feminina Estevão Pinto, na região Leste da capital mineira.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave