O clima é de final na Toca II

De volta ao time titular, Henrique conhece bem o próximo adversário na Libertadores

iG Minas Gerais | guilherme guimarães |

Experiência. Henrique conhece bem o adversário de quinta-feira, pela Libertadores, e confia na reação do Cruzeiro na competição
MARIELA GUIMARAES / O TEMPO
Experiência. Henrique conhece bem o adversário de quinta-feira, pela Libertadores, e confia na reação do Cruzeiro na competição

Ansiedade, tensão, luta para controlar o psicológico, olho no calendário e no relógio, esse é o Cruzeiro, que conta os dias e horas para o mais importante compromisso do clube na atual temporada. Nesta quinta-feira, a Raposa enfrenta a Universidad de Chile-CHI, no estádio Nacional, em Santiago, e só a vitória interessa, caso a equipe queira manter a esperança pela classificação às oitavas de final da Copa Libertadores.

Apesar da baixa média de idade do plantel estrelado, pouco mais de 25 anos, alguns atletas formam uma “espinha dorsal” de experiência, fator que pode ajudar a equipe diante da La U. Mais experientes, o goleiro Fábio, o volante Henrique e o atacante Júlio Baptista podem ser fundamentais para um resultado positivo celeste no Chile.

“A gente sabe da responsabilidade por ser mais experiente e temos que passar tranquilidade para os mais novos. Eu também fui estreante um dia, em 2008 joguei minha primeira Libertadores. Muitos companheiros me passaram essa tranquilidade, esse respaldo, dizendo como é que precisaria me comportar”, disse Henrique, já confirmado pelo técnico Marcelo Oliveira como o substituto de Nilton, suspenso por ter sido expulso no empate em 2 a 2 com o Defensor-URU. Apesar de jogar a sua primeira Libertadores, Júlio Baptista tem vasta rodagem internacional e no jogo com o Defensor-URU mostrou seu papel de liderança. “Você ter essa complementação, fusão de jogadores experientes com os mais novos ajuda. Essa é a mistura que a gente necessita em campo para trazer a vitória do Chile”, disse.

Retrospecto positivo. Com 17% de chances de avançar de fase na competição continental, segundo números do analista esportivo Alexandre Siqueira, o time celeste não larga a calculadora e se apoia, além da forte preparação, no retrospecto diante da La U. Até agora, os celestes nunca perderam um jogo para a Universidad de Chile. Foram três encontros em Libertadores, dois em 2009 e um neste ano.

O último duelo entre Raposa e La U terminou com o placar de 5 a 1 para os celestes, no Mineirão, na atual edição da disputa. Em 2009, vitórias azuis no Chile e em Belo Horizonte, destaque para a vitória por 2 a 1 fora de casa. Dúvida

Lateral. O experiente lateral-direito Ceará não treinou ontem. O jogador levou uma pancada no joelho direito na partida contra o Boa Esporte, foi substituído por Mayke e, por isso, é dúvida para o jogo com a La U, Boa lembrança

“Me lembro bem do último encontro do Cruzeiro contra a Universidad de Chile, fora de casa, na Libertadores de 2009. Vencemos por 2 a 1. Foi um jogo muito difícil, um adversário que era muito bom na época, tinha jogadores de alto nível, mas vencemos” Henrique, volante do Atlético

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave