Duplicidade de linhas traz prejuízo

iG Minas Gerais |

A falta de integração entre o Move metropolitano e o sistema da capital vai gerar duplicidade do sistema, na avaliação de especialistas. A partir do fim do mês, os ônibus intermunicipais vão apenas compartilhar os corredores exclusivos do Move. Com isso, duas linhas – capital e metropolitana – farão o mesmo trajeto até o centro, por exemplo, para que o passageiro de outra cidade não pague mais uma passagem.

“Desta maneira como (o Move) foi feito, sem integração, criou-se uma duplicidade de sistema. Poderíamos ter menos linhas chegando ao centro”, destacou o arquiteto e urbanista Sérgio Myssior.

Baldeação. Se o sistema fosse pensado para o passageiro, além do bilhete único, deveria haver compensação tarifária pela baldeação que o usuário é obrigado a fazer, defende o engenheiro em transportes Dimas Gazolla.

“Tecnicamente, o serviço deveria compensar com uma redução de tarifa, porque o passageiro troca de veículo para continuar a viagem. Isso é um transtorno”, destacou. (JS)

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave