O truque do desaparecimento

Audiovisual em Debate resgata pioneiro espanhol esquecido

iG Minas Gerais | Daniel Oliveira |


Chomón foi um dos primeiros a usar técnicas de animação no cinema
CRAV
Chomón foi um dos primeiros a usar técnicas de animação no cinema

A história do cinema é um estranho buraco negro, marcado por desaparecimentos e extermínios culturais silenciosos. Especialmente no que tange aos mestres do cinema mudo, grande parte de suas filmografias foi perdida em incêndios ou armazenamento indevido – e outra parte significativa ainda foi ignorada ou diminuída pelos grandes historiadores.

É o que aconteceu com o realizador espanhol Segundo de Chomón. Pioneiro dos efeitos especiais e da animação, sua obra será resgatada hoje, às 19h, no Centro de Referência da Moda pelo pesquisador Paulo Barbosa, na abertura da edição 2014 do Audiovisual em Debate, do Crav. A palestra será seguida do lançamento do livro “Do Truque ao Efeito Especial: o Cinema de Segundo de Chomón”, escrito pelo professor.

“Os primeiros genealogistas do cinema, como Georges Sadoul, tinham um grande preconceito com a produção pré-narrativa que vigorou até 1910”, explica Barbosa, que pesquisou a obra de De Chomón no doutorado. Segundo ele, essa filmografia era ainda muito ligada à ideia do espetáculo e não foi levada tão a sério pelos teóricos quanto a cinematografia narrativa que se consolidaria com D. W. Griffith.

Além disso, De Chomón foi contemporâneo do mestre Georges Méliès, com quem aprendeu vários de seus truques – o que fez com que muitos críticos o encarassem como um mero imitador. “Méliès fazia tudo, era um exército de um homem só que até vendia seus filmes. O Chomón, não. Ele era um operário e, na passagem do cinema artesanal para o esquema industrial da segunda metade dos anos 1910, ele não teve grandes dificuldades em se adaptar”, conta o pesquisador, ressaltando que o mesmo não aconteceu com Méliès, cuja produção entrou em declínio com a ascensão de Hollywood, a partir do início da Primeira Guerra.

Para Barbosa, o realizador espanhol atravessa a transição de um cinema puramente estético e de atrações para um plenamente narrativo, com domínio completo da linguagem. “Nesse segundo momento, ele é absorvido como um profissional da trucagem, pioneiro no uso de técnicas de animação que Méliès não dominava”, explica.

Nascido em Aragão, De Chomón produziu obras na Espanha, trabalhou para os irmãos Pathè na França e encerrou sua carreira na Itália. Na palestra de hoje, serão exibidos pequenos trechos de curtas realizados pelo espanhol. “Boa parte dos longas dele foi perdida. Só consegui ver no Museo del Cinema de Turín, onde ele trabalhou”, justifica Barbosa.

Agenda

O que. Audiovisual em Debate

Quando. Hoje, às 19h

Onde. Centro de Referência da Moda (r. da Bahia, 1149, Centro)

Quanto. Entrada gratuita

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave