Corrupção e nepotismo batem na porta de Carlaile Pedrosa

Prefeito e vereador trocaram favores para esconder contratações cheias de irregularidades

iG Minas Gerais | Da Redação |

Órgão Oficial. Após saída de Léo da Semas, Jacinto foi exonerado e readmitido no gabinete do vereador
REPRODUÇÃO “óRGãO OFICIAL”/6.02.2014
Órgão Oficial. Após saída de Léo da Semas, Jacinto foi exonerado e readmitido no gabinete do vereador

Lourival Santos Moreira, braço-direito do ex-secretário de Assistência Social de Betim, vereador Edson Leonardo Monteiro, o Léo Contador (DEM), um dos responsáveis por descontar cheques que podem configurar desvio de recursos públicos através do Núcleo Assistencial Irmãos Glacus, era contratado como assessor especial da Secretaria de Gabinete do Prefeito.

Um cheque de R$ 13 mil se juntou a outros dois de mesmo valor que já tinham sido apresentados pelo vereador Antônio Carlos (PT). Todos foram trocados por Lourival no caixa da agência central do Banco do Brasil de Betim, elevando para R$ 39.000 os recursos que foram retirados pelo assessor.

Os cheques foram emitido por uma empresa que prestava serviços de transporte para a ONG e era paga através de verbas estaduais e federais.

As irregularidades vão além dos desvios de cheques que motivaram sua exoneração, publicada no Órgão Oficial do Município, na última quinta-feira (27).

Lourival, apesar de lotado no gabinete do prefeito, na realidade, obedecia a determinações de Léo Contador, sendo uma espécie de “faz de tudo” do ex-secretário, que também foi demitido após denúncias de irregularidades.

A ex-chefe de Gabinete e atual secretária de Governo, Zizi Soares, responsável pela nomeação de cargos de confiança na prefeitura, informou que a contratação de Lourival se deu a pedido do prefeito Carlaile Pedrosa (PSDB). “Eu apenas cumpria ordens”. Zizi sabia que Lourival tinha sido contratado, com vencimento de R$ 4.811,66 por mês, para ficar à disposição do vereador, que o dispensava de trabalhar.

Em retribuição, Léo Contador abrigava na Câmara Municipal, com salário equivalente, Jacinto Franco, marido da presidente da Associação de Proteção à Maternidade, Infância e Velhice (Apromiv), Patrícia Franco.

A manobra é questionada e serve para contornar a lei de nepotismo, que impede dois membros da mesma família ocuparem simultaneamente cargos de nomeação em órgãos públicos.

Nepotismo cruzado. Léo Contador, o verdadeiro patrão de Lourival, cedeu uma vaga de seu gabinete para empregar Jacinto Franco, que, apesar de ser funcionário da Câmara Municipal, trabalha exclusivamente para o prefeito, possuindo inclusive uma sala com estrutura de escritório na prefeitura. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave