O preço do despreparo

iG Minas Gerais |

A presidente Dilma Roussef viu firmar-se nas últimas semanas um quadro de intolerância e resistência ao seu governo que tornou mais forte a preocupação do PT e de seus aliados em relação ao seu estilo de relacionar-se com a classe política e sua base de apoio. O conflito – que começou na relação com o líder na Câmara, deputado Eduardo Cunha – ganhou força dentro do PMDB e trouxe para o centro da briga os demais partidos, ávidos em rechear suas reservas para enfrentarem com mais conforto a disputa de outubro. A reeleição de Dilma, a renovação da Câmara, de um terço do Senado, das assembleias legislativas e a escolha de governadores norteiam os sentidos das conversas. Não há divergências programáticas, não há disputas ideológicas em jogo nem questões de princípio: há interesses eleitoreiros e materiais, cargos, poder, grana mesmo, e somente. Para flexibilizar o jogo, os núcleos de resistência ameaçaram com a abertura de CPIs e sinalizaram com investigações sobre a Petrobras. Dilma e seus assessores mediram mal o tamanho do braço de seus contendores, deram de ombro e a oposição aproveitou-se da janela aberta para tornar públicas mutretas mil, denúncias de superfaturamento, favorecimentos a grupos, desperdício, enriquecimento ilícito, corrupção, práticas que há muito tempo o Código Penal define como formação de bando ou quadrilha. Aos desgastes desse episódio somaram-se maus resultados dos números da economia, que ameaçam a gestão das contas públicas, os investimentos e o crédito internacional. E mais grave: a perspectiva de descontrole da inflação. Isso realmente assustou. Para atender os partidos e manter calada a base, o governo terá que fazer gastos, quase sempre invertendo opções e adiando prioridades essenciais; o jogo político quando praticado no espaço menor, no varejo, priorizando interesses de grupos às preocupações com a coletividade é caro e sem fim. Infelizmente o governo da presidente Dilma Roussef está refém desse modelo e com o governo, refém também estamos todos e tudo que compõe a nação. Que lástima. A presidente que começou seu governo com imagem de durona, que consolidou apoios e aumentou sua popularidade quando teve a coragem de confrontar-se com estruturas políticas que infestavam a administração federal, que assumiu como essencial a faxina de órgãos e ministérios, que frequentou as listas de líderes mais importantes do mundo agora está de pires na mão, desnorteada, absolutamente entrincheirada, dependente da concessão que lhe oferecerão ou não um Congresso e partidos incapazes de construirem a própria imagem. Dilma ficou vítima da própria arrogância, do despreparo de seu grupo em construir um governo alinhado ao mundo moderno, atento e sintonizado com as demandas internacionais políticas e econômicas. Atingida em pleno voo no momento em que se dirige para sua reeleição, a presidente terá que flexibilizar seu estilo para chegar a outubro com vigor para a disputa. E essa conta, infelizmente, pagaremos todos: com tributos, com trabalho, com as consequências de nossos atrasos. E pior, com a desesperança.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave