Yuri e Rildo entram, decidem e colocam Santos na final

O destaque da partida foi o treinador Oswaldo de Oliveira, que fez alterações importantes na equipe santista

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

Não é segredo para ninguém: o ótimo ataque compensa as falhas defensivas da equipe do Santos. Foi exatamente assim neste domingo, na Vila Belmiro, onde David Braz deu dois gols para o Penapolense, mas o setor ofensivo funcionou e garantiu a vitória por 3 a 2 que colocou os santistas na final do Campeonato Paulista pela sexta temporada seguida. O garoto Stéfano Yuri, de 19 anos, marcou aos 41 minutos do segundo tempo para garantir a classificação de mais uma geração de Meninos da Vila.

O destaque do jogo, porém, foi Oswaldo de Oliveira. O treinador, que não deu sorte com a escalação de David Braz na zaga, compensou durante a partida. Quando tirou Gabriel para colocar Rildo, o substituído, na primeira jogada, deu o gol de empate para Leandro Damião. O ex-colorado saiu depois de perder três chances claras e, quando Stéfano Yuri entrou, desempatou logo no seu primeiro lance.

O adversário do Santos na final vem do confronto entre Palmeiras e Ituano, que jogam na sequência no Pacaembu. As duas partidas da decisão serão nos dois próximos domingos, sendo que a volta de qualquer forma será com mando santista. Para a ida, Cicinho e Mena estão suspensos pelo terceiro amarelo. Antes, na quarta, visita o Mixto pela Copa do Brasil na abertura da Arena Pantanal.

O JOGO - Para justificar o rótulo de melhor ataque do Paulistão, o Santos entrou em campo praticamente com cinco atacantes. Cícero, teoricamente volante, já jogou de centroavante. Gabriel, a quem competia servir Geuvânio, Leandro Damião e Thiago Ribeiro já foi chamado de "Gabigol".

Contra um time taticamente bem postado, o Santos esperava abrir o placar e, no contra-ataque, deslanchar. Para esta meta, fez 1 a 0 aos 21 minutos. No lance, Cícero arriscou de fora da área, a bola desviou no pé de Rodnei e enganou o goleiro Samuel.

Novo titular da zaga (roubou a posição de Jubal), David Braz não deixou a estratégia dar certo. Cinco minutos depois do gol santista, ele segurou a camisa de Guadalberto para não largar mais em cobrança de falta na área que iria nas mãos de Aranha. Típica falta que o árbitro não vê. Mas Marcelo Rogério agiu corretamente e deu pênalti. Guaru mandou no canto direito de Aranha. A bola bateu na trave e entrou.

Mais nove minutos e nova falha de David Braz. A zaga do Penapolense isolou e o zagueiro, ao invés de sair jogando ou pelo menos afastar o perigo, quis proteger para a saída de Aranha. Traído pelo quique da bola, viu Douglas Tanque ser mais esperto, se meter no meio dos dois santistas, tirar a bola deles e estufar as redes, sozinho.

O Santos viu que não ganharia o jogo só com a campanha da fase de classificação como argumento. Precisava jogar bola. Logo no primeiro minuto do segundo tempo, Cícero arriscou de longe e carimbou o travessão. Pouco depois, cobrou falta tirando tinta da trave.

O gol do empate só saiu quando Gabriel deu lugar a Rildo, com Thiago Ribeiro indo para o meio. O ex-atacante da Ponte Preta, no primeiro lance, aos 15 minutos, fez boa jogada pela esquerda: pedalou sobre o marcador, foi à linha de fundo e cruzou. Colocou na cabeça de Leandro Damião, bem colocado no segundo pau.

Ainda que tenha feito o gol de empate, Leandro Damião estava longe de estar num bom dia. Foram três chances claríssimas perdidas, todas espanadas. Na última e melhor delas, Damião ficou cara a cara com Samuel e, mesmo equilibrado, não conseguiu acertar em cheio na bola, que foi para o seu lado.

Oswaldo de Oliveira não teve vergonha de admitir que Damião estava mal e tirou o titular, cobrador de pênalti, para colocar Stéfano Yuri. O garoto, destaque da Copa São Paulo, precisou dar dois toques na bola para tabelar com Thiago Ribeiro, receber na área e colocar o Santos na final.

FICHA TÉCNICA:

SANTOS 3 X 2 PENAPOLENSE

SANTOS - Aranha; Cicinho, Neto, David Braz e Mena; Arouca, Cícero e Gabriel (Rildo); Geuvânio (Alison), Leandro Damião (Stéfano Yuri) e Thiago Ribeiro. Técnico - Oswaldo de Oliveira.

PENAPOLENSE - Samuel; Rodnei, Jaílton, Guadalberto e Rodrigo Biro; Liel (Lucas), Petros (Rafael Ratão), Washington e Guaru; Alexandro (Neto) e Douglas Tanque. Técnico - Narciso.

GOLS - Cícero, aos 21, Guaru, de pênalti, aos 26, e Douglas Tanque, aos 35 minutos do primeiro tempo; Leandro Damião, aos 15 e Stéfano Yuri, aos 41 minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO - Marcelo Rogério.

CARTÕES AMARELOS - Cicinho, David Braz, Mena, Geuvânio, Rodrigo Biro e Guaru.

RENDA - R$ 353.892.

PÚBLICO - 12.409 pagantes.

LOCAL - Estádio da Vila Belmiro, em Santos (SP).

Leia tudo sobre: santoscapeonato paulistayurioswaldo de oliveirarildofinalistaPenapolense