Metrô de BH recebe simulado de ataque químico

Dinâmica com duração de duas horas reuniu cerca de 70 pessoas, duas ambulâncias, três caminhões, uma tenda e várias macas na madrugada deste domingo

iG Minas Gerais | Da Redação |

Metrô de Belo Horizonte recebe simulado de ataque químico para a Copa de 2014
Osvaldo Afonso / Imprensa MG/Divulgação
Metrô de Belo Horizonte recebe simulado de ataque químico para a Copa de 2014

O metrô de Belo Horizonte recebeu o primeiro simulado de ataque químico preparatório para a Copa do Mundo, na madrugada deste domingo (30).  A estação de metrô escolhida para a prática da última madrugada dá acesso ao Expominas, local onde será realizada a Fan Fest, evento das exibições públicas dos jogos do Mundial. A experiência começou com a simulação de uma contaminação de figurantes do Exército dentro do vagão, por um produto químico sufocante. O passo seguinte foi o acionamento do Corpo de Bombeiros para a retirada das vítimas e coleta do material tóxico. Enquanto o produto foi levado para análise ao laboratório da Fundação Ezequiel Dias (Funed), as vítimas foram encaminhadas a uma tenda de descontaminação. Os casos menos graves foram tratados por agentes de saúde no próprio local. 

“Os novos detectores biológicos da Funed vão identificar o tipo da substância, em caso de ataques químicos, em um prazo de 24 horas, o que significa um avanço em comparação ao tempo de até 72 horas gastos até então”, disse a coordenadora do Grupo de Proteção da Funed, Adriane Zacarias Nunes.

Todos os militares e agentes de saúde envolvidos na ação usaram roupas especiais, com máscaras, para atender às vítimas. Dentro da tenda de descontaminação, o procedimento incluiu banhos com alas separadas para mulheres, homens e feridos. “Belo Horizonte está bem à frente no quesito de ataque com produto contaminante. É a segunda vez que estamos aqui”, disse o capitão Barradas, do 1º Batalhão de Defesa Química, Biológica, Radiológica e Nuclear, do Rio de Janeiro. Após o simulado, todo o grupo é reunido para discussão dos acertos e pontos de atenção.

A dinâmica com duração de duas horas reuniu cerca de 70 pessoas, duas ambulâncias, três caminhões, uma tenda e várias macas. “Esse trabalho integrado é de fundamental importância, porque determina o fluxo e papéis de cada instituição em casos de ataques ou de emergência”, disse o coronel Wilson Chagas, da Coordenadoria Especial da Copa da Secretaria de Estado de Turismo e Esportes.

Este foi o segundo exercício promovido pelo Exército Brasileiro em parceria com o Grupo Interinstitucional de Proteção do Governo do Estado de Minas Gerais. Em junho de 2013, a Praça JK, na Região Centro-Sul da capital mineira, foi cenário da primeira simulação de risco com presença de vitimas contaminadas por agente químico para a Copa das Confederações.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave