Sonho precisou ser suspenso para pagar contas em dia

iG Minas Gerais |

O fundador da Easy Taxi, Tallis Gomes, criou o primeiro negócio aos 14 anos, em Carangola. Viu a oportunidade de comprar celular com câmera para vender na cidade. Depois foi morar em Juiz de Fora e no Rio de Janeiro, aos 18, quando começou a faculdade marketing, que largou quando um segundo negócio estava bem, veio a queda. “O produto mídia social era bom, mas num momento errado”, admite. Foi trabalhar na indústria nacional.

Nunca pensou em abandonar a internet. “Na verdade, eu precisava era pagar contas”, diz. A Easy Taxi surgiu em 2011, numa competição de startups, no Rio de Janeiro. “Eu queria criar uma solução para diminuir o trânsito nas grandes cidades, para as pessoas deixarem o carro em casa e usarem mais o táxi, e me veio a ideia de um sistema de GPS para localizar o táxi mais próximo da pessoa”, conta Gomes.

Dificuldades na implantação também vieram. A cultura do taxista e o celular, que era caro, foram algumas. O cenário era 2011, nem tão distante assim, mas mostrar ao taxista que um smartphone poderia gerar dinheiro para ele era uma árdua tarefa. “Fomos aos postos de gasolina, mapeamos os mais baratos para convencer os taxistas”, conta Gomes. Até hoje o executivo vai para a rua falar com taxistas. “Não fico em escritório olhando planilha. Isso é uma característica do pessoal de startup. Vivo em aeroporto”. (HL)

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave