Corinthians declara luto e Andrés lamenta 3ª morte

Em solidariedade aos familiares da vítima, o clube declarou luto de três dias, mas não confirmou se as obras serão paralisadas nos próximos dias

iG Minas Gerais | agência estado |

O Corinthians lamentou no início da noite deste sábado a morte do operário Fabio Hamilton da Cruz nas obras do Itaquerão, estádio que receberá o jogo de abertura da Copa do Mundo. Em solidariedade aos familiares da vítima, o clube declarou luto de três dias, mas não confirmou se as obras serão paralisadas nos próximos dias.

"O Sport Club Corinthians Paulista lamenta o falecimento do operário Fabio Hamilton da Cruz, funcionário da empresa WDS Construções, contratada pela Fast Engenharia para executar os serviços de montagem das arquibancadas provisórias da Arena Corinthians. O clube se solidariza com a família neste momento de dor", registrou o clube.

"Em sinal de lamento pelo ocorrido e em respeito, o Sport Club Corinthians Paulista declara luto de três dias", completou o comunicado oficial. Nem o clube e nem a Odebrecht, empresa responsável pelas obras, informaram se vai haver a interrupção dos trabalhos em memória da terceira vítima do estádio.

Responsável pela obra da nova arena corintiana, Andrés Sanchez também lamentou o episódio trágico. "Lamento esse incidente com o funcionário da empresa Fast Engenharia e me solidarizo com a família. Peço que neste momento as pessoas rezem por ele", disse o ex-presidente corintiano.

"Eu estava viajando, fora de São Paulo, quando fui comunicado do ocorrido. Então, ao saber do estado de saúde do operário, retornei imediatamente para a cidade. Assim que cheguei a São Paulo e estava me dirigindo para o hospital me informaram da morte dele", afirmou.

Fabio Hamilton da Cruz trabalhava na montagem das arquibancadas provisórias do estádio quando sofreu uma queda fatal na manhã deste sábado. Ele chegou a ser encaminhado ao hospital com vida, mas não resistiu aos ferimentos.

O operário prestava serviço à WDS Engenharia, contratada pela Fast Engenharia, responsável pela instalação das arquibancadas móveis. A Fast, por sua vez, foi incumbida do serviço por encomenda da Ambev, que está bancando o custo de R$ 38 milhões para colocar a estrutura temporária.

O acidente é o segundo registrado no Itaquerão, que receberá o duelo entre Brasil e Croácia, na abertura da Copa, além de mais cinco jogos. Em novembro do ano passado, Fábio Luiz Pereira, de 42 anos, e Ronaldo Oliveira dos Santos, de 44 anos, morreram após o desabamento de um guindaste durante a instalação de parte da cobertura do estádio. O acidente atrasou as obras, que agora só devem ser finalizadas entre o fim de abril e o início de maio.  

Leia tudo sobre: futebolitaquerão