Campanha “Eu não mereço ser estuprada” mobiliza usuários do Facebook

Movimento começo após pesquisa indicar que 65% dos entrevistados acreditam que mulheres que usam roupas que mostram o corpo merecem ser atacadas

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Vários usuários aderiram ao protesto
REPROODUÇÃO
Vários usuários aderiram ao protesto

Após a divulgação de uma pesquisa polêmica realizada por meio do Sistema de Indicadores de Percepção Social (Sips) do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), onde mais de 65% dos entrevistados concordam totalmente ou parcialmente que as mulheres que usam roupas que mostram o corpo merecem ser atacadas, uma campanha em protesto ao resultado movimento a rede social Facebook.

Criado na noite dessa sexta-feira (28), o movimento “Eu não mereço ser estuprada” pediu que mulheres tirassem fotos da cintura para cima com a mensagem que não mereciam ser estupradas. Muitas aderiram ao proteso e posaram nuas escrevendo em mensagem no próprio corpo. Além disso, a hashtag  #EuNãoMereçoSerEstuprada foi muito usada.

Se por um lado a campanha foi positiva, por outro, a criadora da campanha, a  jornalista e escritora Nana Queiroz, contou ao “Blog do Sakamoto” que recebeu vários ofensas. Em algumas mensagens, os usuários ameaçaram estuprá-la.

Um homem chegou a postar uma mensagem confessando que já havia cometido estupro e afirmando que faria novamente. A jornalista informou que vai procurara a delegacia para prestar uma queixa ainda neste sábado (29).  

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave