Cheque especial é pesadelo para 40% dos consumidores

Levantamento aponta que 43% das pessoas entrevistadas são das classes A e B

iG Minas Gerais | Pedro Grossi |

Rombo. Juro faz dívida de  R$ 1.000 virar R$ 2.500 em um ano
Daniel de Crequeira/O Tempo
Rombo. Juro faz dívida de R$ 1.000 virar R$ 2.500 em um ano

De cada 10 brasileiros, quatro já entraram no cheque especial. Do total de entrevistados, 43% dos que pertencem às classes A e B afirmam que já utilizaram essa linha de crédito e 34% das pessoas das classes C, D e E já precisaram do crédito. Os dados foram levantados pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC).

Uma explicação para o alto índice de pessoas das classes A e B que utilizam esse serviço é o fato do crédito ser concedido pelos bancos de acordo com a movimentação financeira da conta. Vale destacar levantamento realizado pelo instituto DataPopular que constatou que 39,5% dos brasileiros – cerca de 55 milhões de pessoas – não possuem conta em banco.

Já o alto percentual de pessoas que já utilizaram o serviço se explica pela facilidade da concessão do crédito. É exatamente esse o grande risco da utilização indiscriminada do serviço. “O cheque especial é uma das modalidades mais usadas pela sua facilidade de acesso, mas é também uma das mais caras do mercado”, explica José Vignoli, educador financeiro do portal Meu Bolso Feliz.

Segundo dados da Fundação Procon-SP, os juros dos empréstimos e do cheque especial subiram no mês de março na comparação com o mês de fevereiro. No empréstimo pessoal, a taxa média ficou em 5,46% ao mês, acima dos 5,44% do mês anterior. Já no cheque especial, a taxa média foi de 8,81% ao mês, índice 0,15 ponto superior à taxa de fevereiro, que foi de 8,66%.

Essa combinação entre crédito fácil e juros altos pode trazer problemas de endividamento para o consumidor. Uma pessoa que com uma dívida de R$ 1.000 no cheque especial e não conseguir pagar a dívida, em um ano, o montante será de R$ 2.500 – valor 150% maior. “É importante nunca usar o cheque especial para ajudar nas compras ou desejos pessoais que ultrapassem a renda mensal. Esse hábito passa uma falsa impressão de aumento de renda e, consequentemente, leva ao descontrole das despesas e endividamento”, diz Vignoli.

O técnico em administração Frederico David, 26 anos, diz que consegue usar o cheque especial sem cair na armadilha dos juros. “Meu banco me dá 10 dias por mês sem juros no cheque especial e consigo controlar esse prazo. No meu caso, acaba sendo uma vantagem”, diz. “Concentro todas as minhas compras no cartão de crédito para poder acumular milhagem e, às vezes, recorro ao cheque especial para quitar o cartão”.

Números

40% dos brasileiros já usaram o cheque especial

43% das pessoas das classes A e B usam a linha de crédito

8,81% é a média da taxa mensal de juros do cheque especial

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave