Polícia Civil guarda armas em condições precárias, diz Sindpol

Sindicato dos policiais relatou os problemas do depósito em 2010

iG Minas Gerais | Johnatan Castro |

Situação. Sindicato que representa policiais civis divulgou fotos do estado do deposito da corporação na Gameleira
Divulgação / Sindpol MG
Situação. Sindicato que representa policiais civis divulgou fotos do estado do deposito da corporação na Gameleira

O armamento utilizado pela Polícia Civil de todo o Estado estaria sendo guardado em um depósito improvisado e sem segurança, no bairro Gameleira, na região Oeste da capital. A denúncia foi feita pelo Sindicato dos Servidores da Polícia Civil de Minas Gerais (Sindpol) ao comando da corporação no fim de 2010, mas, após o roubo de 45 armas da Central de Escoltas de Ribeirão das Neves, na região metropolitana, na última segunda-feira, agentes que trabalham no local voltaram a relatar a situação precária do depósito, que nos últimos anos não recebeu investimentos significativos.

Mais de mil fuzis e pistolas, centenas de granadas e contêineres de munição, além de dinamite e outros explosivos, estariam guardados no paiol na época da denúncia. O documento enviado à chefia da Polícia Civil (PC) ainda afirmou que o local tinha condições precárias de higiene e salubridade e risco de explosão. Em 2010, não havia sequer extintores de incêndio.

“Em razão desse problema sério que ocorreu (roubo de armas em Neves), policiais que fazem a guarda das armas da Polícia Civil nos procuraram. Eles têm medo de uma possível invasão”, afirmou o vice-presidente do Sindpol, Antônio Marcos Pereira. “Para a nossa surpresa, só foi feita a limpeza da área e a colocação de algumas câmeras. É um local frágil. A situação lá é preocupante e exige uma ação imediata por parte do governo do Estado”, complementou Pereira, que deve enviar um novo ofício ao comando da corporação.

Resposta. Em nota, a Polícia Civil afirmou ontem que as denúncias foram analisadas em 2010 e não condizem com a atual realidade do depósito. Segundo o texto, o imóvel abriga também o Centro Logístico da Superintendência de Investigações e Polícia Judiciária e “não oferece risco aos profissionais e, principalmente, à comunidade local”. O paiol não abrigaria apetrechos policiais, uma vez que o material é distribuído imediatamente para todo o Estado.

Flash

Governador. Antonio Anastasia comentou ontem o roubo de armas em Neves. Ele afirmou que a participação dos agentes não está descartada e que determinou prioridade máxima para o caso.

Novos coletes

Compra. Ontem, a Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds) anunciou a compra de 3.700 coletes à prova de bala para agentes penitenciários. Foram entregues 406 ontem, e o restante virá até junho.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave