Passeios na melhor idade

Visita ao médico e avaliação do tempo de viagem são algumas medidas a serem tomadas antes da escolha do destino

iG Minas Gerais | JOÃO PAULO COSTA |

Indiferente do destino, é sempre recomendável usar agasalhos, calçados e roupas confortáveis
Stock Xpert
Indiferente do destino, é sempre recomendável usar agasalhos, calçados e roupas confortáveis

Para milhares de brasileiros, a terceira idade é uma das fases melhores para viajar. E, pensando nessa possibilidade, várias operadoras de turismo, agências de viagens e receptivos turísticos do Brasil – e, obviamente, no mundo todo – têm voltado seus olhares para essa demanda de mercado. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), já são mais de 20 milhões de brasileiros acima dos 60 anos, representando 10,5% da população e que, mesmo não estando ativos no mercado de trabalho, investem seus recursos em viagens e movimentam a economia.

Na moda 

Roteiros que permitem à família toda viajar e que incluem programação específica para idosos estão cada vez mais em alta. Há, também, programas de intercâmbio específicos para idosos que desejam aprender uma segunda língua, assim como conhecer os atrativos daquela localidade. Contudo, antes das pessoas mais velhos viajarem, é necessário tomar algumas medidas.

“As orientações para uma viagem dependem de qual idoso estamos falando, se é um idoso com envelhecimento saudável ou com fragilidades. As preocupações começam pela escolha da viagem (local, meio de transporte, programação e duração). Deve ser levado em conta o nível de funcionalidade, ou seja, o contexto familiar e psicossocial da pessoa mais velha que viaja”, destaca Gislaine Alves de Souza, psicóloga que atua na saúde do idoso em Belo Horizonte.

Dependendo do destino, é recomendável que se faça um check up médico. O que não pode faltar são também os cuidados com medicamentos controlados e atenção com as vacinas. As facilidades de acesso ao idoso e a preocupação em se fazer um seguro, que cubra despesas hospitalares e traslados é outra coisa que deve ser vista.

Clima 

Se o destino ainda não foi escolhido, é necessário definir um local que disponha de temperaturas moderadas. “É importante fazer uma programação de acordo com as limitações do idoso’, alerta Gislaine. O uso de óculos escuros, protetor solar e a hidratação de pele adequada também são muito importantes.

Precaução 

Leve apenas o essencial. No entanto, pessoas mais idosas tendem a sentir mais frio e, nesse caso, sempre vale a pena incluir um agasalho. Recomenda-se também que o idoso resista às tentações da boa culinária, principalmente àquelas apimentadas e fortes.

Viagens longas 

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), viagens que ultrapassam 4 horas podem provocar alguns transtornos, como má circulação nos membros inferiores e embolias pulmonares em casos específicos. Por isso, a dica para o vovô e a vovó fica por conta do uso de roupas confortáveis, alimentação moderada e do exercício de alongamento.

Direitos

É recomendável que os idosos conheçam os seus direitos na hora de viajar. O Estatuto do Idoso (Lei 10.741/03), no Brasil, garante alguns benefícios, como transporte gratuito. Algumas redes hoteleiras no exterior oferecem tarifas mais baixas para os idosos. Na Inglaterra, por exemplo, visitantes acima dos 60 anos têm descontos em várias atrações.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave