Espaços mais acessíveis

Além de permitir independência, ambientes adaptados ganham destaque pela comodidade

iG Minas Gerais | Ana Paula Braga |

Circulação. Quarto dispõe de dimensões apropriadas para a circulação de cadeirantes e portadores de necessidades especiais
Reinaldo Meneguim / Divulgação
Circulação. Quarto dispõe de dimensões apropriadas para a circulação de cadeirantes e portadores de necessidades especiais
Conforto, design e acessibilidade. Uma casa deve ser projetada de forma transitável, para que qualquer pessoa, de crianças e idosos a portadores de necessidades especiais, possa usar seus espaços. É o que prega o conceito da arquitetura universal.    Atualmente, a diversidade de opções que o mercado oferece para atender esse perfil de décor ajuda a projetar espaços criativos e que fogem do convencional. Nesse caso, os ambientes ganham em comodidade, além de permitir aos moradores executar as atividades diárias na casa com mais praticidade e independência. Ajustes nas alturas de poltronas, pufes, mesas e sofás, posicionamentos de tomadas, previsão de circulações amplas e sem barreiras, sistemas de amortecimento, adaptações em bancadas, lavatórios e pias são exemplos de algumas medidas mais adotadas na decoração.   “A regra é primar por ambientes confortáveis para a livre circulação dos moradores. O piso deve ser bastante seguro, principalmente para os idosos. Dê preferência aos revestimentos antiderrapantes e resistentes ao ir e vir. A calçada deve ser sem degraus, e algumas entradas necessitam de rampas de inclinação de até 10%”, explica a arquiteta Daniela Aguiar. De acordo com a especialista, desapegar dos tapetes espalhados pela casa também é algo que ajuda a evitar acidentes. “Caso não tenha jeito, dê preferência aos tapetes mais baixos e com base antiderrapante”, pontua Daniela.    Além de explorar os recursos de iluminação, inclusive a natural, outra dica é abusar de um mobiliário inteligente e ergonômico, com alturas bem niveladas e rodinhas. “Para os cadeirantes, por exemplo, as mesas corretas possuem altura que varia entre 75 e 80 centímetros a partir do piso. Já os armários não devem passar de 1,40 metro”, afirma. Para a arquiteta, a altura da cama para os idosos também merece um cuidado extra e precisa permitir que os pés toquem o chão logo no momento de levantar. “Estofados mais firmes e resistentes são fundamentais   Atenção redobrada O banheiro costuma ser um desafio à parte, principalmente na hora do banho. No entanto, é possível torná-lo bastante funcional e seguro. Entre os produtos que ajudam a deixar a casa mais acessível estão as barras de apoio, que podem ser instaladas ao lado do vaso sanitário e no interior do box, torneiras de monocromado ou de alavanca, além de um espelho com controle de inclinação. “Na área ao redor do chuveiro, o ideal é a instalação de portas de correr ou com abertura para fora, assim é possível ajudar uma pessoa em caso de queda”, explica Daniela.    O uso da tecnologia por meio da automação residencial pode ser também uma maneira de potencializar alguns sistemas de segurança na casa. Câmeras, sensores de presença e de abertura de portas, alarmes de emergência, básculas motorizadas e interruptores remotos são itens que ajudam a deixar a casa mais segura.   “As pessoas começam a consumir com a consciência do conforto, da segurança e o bem-estar que um bom produto proporciona, além do custo-benefício dos aparatos tecnológicos, que está cada vez melhor”, afirma o sócio-diretor da iKeise, Tadeu Cardoso.   

Leia tudo sobre: décoracessibilidade