Ampliar CPI é ato “eleitoreiro”

iG Minas Gerais |

São Paulo. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso criticou ontem a intenção de parlamentares governistas de incluir as investigações do cartel de trens e Metrô em São Paulo numa possível CPI da Petrobras. O tucano classificou a estratégia como “puramente eleitoreira” e disse que a estatal não pode ser alvo de “joguete” político. “Neste momento, o importante é esclarecer o mau manejo da Petrobras, como é que a tal ponto”, disse o ex-presidente.

De acordo com FHC, a proposta da CPI é de investigar questões relacionadas à estatal e que não é contrária ao governo Dilma. “A CPI não pode se transformar em palco político, tem que ser realmente para investigar o que aconteceu na Petrobras porque é sério, está pondo em risco a maior empresa do Brasil, a credibilidade dela”, afirmou o tucano após mediar um debate sobre os 50 anos do Golpe Militar no instituto que leva seu nome.

O governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), classificou como “infantil” a tentativa do PT em propor que a CPI mista da Petrobras também investigue outros assuntos, como as supostas irregularidades nas licitações do metrô de São Paulo. “Não é um debate eleitoral: ‘investiga aquilo, se não investiga aquilo outro’, que se investigue tudo. Parece uma confissão de culpa”, afirmou em entrevista no Recife.

O novo ministro de Relações Institucionais, Ricardo Berzoini disse que o governo vai para a ofensiva na CPI da Petrobras.

“Não há motivo para ficarmos na defensiva. Vamos mostrar o que foi a Petrobras no governo FHC e o que é a Petrobras nos governos Lula e Dilma. Está claro que o interesse é eleitoral, não há qualquer interesse de investigação séria”, disse.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave