Casa de agente penitenciário é atingida por tiros em Itajubá

Jovem foi preso suspeito de ser o responsável pelos disparos; um segundo homem também teria participado do crime

iG Minas Gerais | Fernanda Viegas |

Uma das armas que teria sido utilizada para atingir residência estava escondida embaixo de tambor.
Polícia MilitarDivulgação
Uma das armas que teria sido utilizada para atingir residência estava escondida embaixo de tambor.

Um homem de 21 anos foi preso suspeito de ter atirado contra a casa de um agente penitenciário em Itajubá, no Sul de Minas, na noite dessa quinta-feira (27).

De acordo com a Polícia Militar (PM), barulhos de disparos foram ouvidos no bairro Novo Horizonte. No local, a PM conversou com o agente penitenciário B.R.P., 43, que alegou que homens não identificados atiraram várias vezes contra a sua residência e fugiram em seguida. Os militares encontraram sete cartuchos de calibre .32 e .38.

Na mesma noite, durante patrulhamento pela rua Luiz Antônio Castelani, no mesmo bairro, a PM recebeu denúncias de que um dos suspeitos dos disparos seria R.M.S., 21. Com esta informação, os policiais foram atrás do rapaz, localizado em atitude suspeita.

Quando percebeu a presença dos policiais, o jovem fugiu, mas foi alcançado. Em uma busca, os militares encontraram em um bolso uma bala calibre .32 e R$ 30 em dinheiro. Além disso, ele teria tentado se livrar de quatro buchas de maconha.

Questionado, o suspeito disse possuir um revólver, alegando que a arma estava escondida embaixo de um tambor. No local indicado, foi encontrada uma garrucha .32 com uma bala do mesmo calibre e ainda um revólver calibre .38. O suspeito assumiu a propriedade da garrucha e indicou uma segunda pessoa como proprietária do revólver, que não foi localizado.

O jovem foi preso em flagrante e encaminhado para delegacia.

Outros casos

Um ônibus foi parcialmente incendiado e as casas do diretor de um presídio e de um agente penitenciário atacadas no início desse mês, em Itajubá, no Sul de Minas. A Polícia Civil já assumiu o caso, que a princípio parece se tratar de uma coincidência.

Conforme o delegado Pedro Bezerra, por volta das 22h30 dessa terça, três homens simulando estarem armados invadiram um ônibus no bairro Açude. O coletivo tinha acabado de chegar ao ponto final, quando o trio encapuzado chegou, exigindo que os passageiros descessem rapidamente. Eles jogaram gasolina e atearam fogo. Os suspeitos fugiram a pé. Os bombeiros foram chamados para combater as chamas que danificaram apenas parte do veículo.

"Nessa mesma noite, o portão da casa de um agente penitenciário foi atingido por seis disparos de arma de fogo. Um artefato caseiro inflamável, tipo um coquetel molotov, também foi jogado contra a casa", contou o delegado. Ainda segundo a polícia, o agente trabalha no presídio de Santa Rita de Sapucaí (a 40 km de distância), na mesma região.

Por volta de 1h30, o portão da casa de um dos diretores do presídio de Itajubá - coincidentemente - foi alvo de quatro disparos.

A câmera de segurança do ônibus foi danificada durante a ação, mesmo assim a Civil já solicitou as imagens à empresa. No entorno das residências atacadas, nenhum suspeito foi avistado, além de não haver câmeras nesses imóveis nem na vizinhança. Não houve feridos em nenhum dos atentados.

Um outro agente penitenciário de Itajubá sofreu um ataque no fim da noite do dia 11 de março. O homem foi seguido e bandidos atiraram contra a casa da namorada dele.

A vítima contou à Polícia Militar que estava na rua Adélia Mendonça, no bairro Rebrogion, quando percebeu que estava sendo seguido por quatro homens em duas motocicletas. Quando se aproximou do imóvel, o agente viu o garupeiro de um dos veículos descendo da moto e apontando a arma.

A vítima conseguiu correr para dentro da casa, mas ainda escutou três disparos. Um dos tiros acertou o muro da casa. Por sorte, ninguém ficou ferido. O agente não identificou os criminosos.  Ainda não é possível afirmar se o crime dessa terça tem ligação com os outros ataques da cidade.

No dia 6 do mesmo mês, em Poços de Caldas, a cerca de 160 quilômetros de Itajubá, a casa de um ex-agente penitenciário foi alvo de sete tiros. Na época, a polícia informou que a princípio o atentado não teria relação com os ataques ocorridos em Itajubá.