Disputa por presidência da FMF terá "briga" entre Atlético e Cruzeiro

Castellar Neto, conselheiro do Galo, é apoiado pelo presidente cassado, Schettino. Mas Cruzeiro quer ex-prefeito de Nova Serrana no poder

iG Minas Gerais | FREDERICO RBEIRO |

Desaparecido. Há dois dias o presidente da Federação Mineira de Futebol não é localizado para comentar a decisão da Justiça
RODRIGO CLEMENTE - 18.2.2009
Desaparecido. Há dois dias o presidente da Federação Mineira de Futebol não é localizado para comentar a decisão da Justiça
Paulo Schettino saiu da cadeira de presidente da Federação Mineira de Futebol e, após 10 anos, a entidade máxima do esporte no estado mudará de chefe. Atualmente comandada por quatro interventores, a FMF tem eleições marcadas para 28 de abril. E, fora das quatro linhas, Cruzeiro e Atlético prometem acirrar a rivalidade e tentar eleger nomes que apoiam. Pelo lado alvinegro, a indicação vem de dentro. Conselheiro do clube e filho do vice-presidente do Conselho Deliberativo do clube, Castellar Neto é advogado de apenas 31 anos e trabalha na área jurídica da BWA na administração do Independência. Já o Cruzeiro, através do presidente Gilvan de Pinho Tavares, quer eleger Paulo César Freitas, ex-prefeito de Nova Serrana e amigo pessoal do senador Zezé Perrella. Freitas foi quem trouxe o Nacional para a cidade e alinhavou a parceria entre a Raposa e o Búfalo. Os candidatos vão atrás de apoio dos clubes profissionais e também das ligas amadoras espalhadas por Minas Gerais. Apesar de serem indicações separadas das maiores forças do futebol mineiro, Castellar e Freitas precisam recolher assinaturas até o final do próximo mês. Paulo César não deve querer ligar sua imagem ao do ex-presidente cruzeirense. Conta com o apoio do Cruzeiro e terá bom trânsito com políticos das cidades do interior. Já Castellar Neto tem a vantagem de ser o candidato de Paulo Schettino, que pertence igualmente ao quadro de conselheiros do Galo.  Para o presidente afastado do cargo, Castellar tem o fator juventude a seu favor e é seu escolhido apenas por 'questões pessoais'. Além disso, Schettino comentou que não vê restrições no fato de a FMF ter um presidente fortemente ligado a um clube em específico. "Eu não tenho nada contra o Paulo César Freitas. Escolhi o Castellar porque vai fazer um bom trabalho. Torço para que vença a eleição, é jovem e capaz. Terá forte apoio. Sobre a ligação dele com o Atlético, tomo por base eu mesmo: pergunte ao Zezé (Perrella), ao Alvimar (Perrella) ou ao Gilvan (de Pinho Tavares) se eu, alguma vez, discriminei o Cruzeiro por ser conselheiro do Atlético e presidente da Federação?. O presidente da FMF tem que ser presidente da FMF, pensar no bem comum e tratar os interesses de todas as agremiações associadas com igualdade", afirmou Schettino, ao Super FC. Há uma terceira expoente chapa concorrendo encabeçada pela oposição. Seu líder e também candidato ao posto máximo da federação é o advogado Silvestre Antônio Ferreira, ex-mandatário da Liga de Desportos de Ipatinga, e responsável pelo processo que cassou Schettino. Sobre a disputa, Silvestre fez algumas considerações ao Super FC. Disse que defende a criação de mais chapas concorrentes e que não acredita em disputa política. Reservou uma avaliação crítica ao apoio de Schettino a Castellar Neto: "É apoiado pelo presidente cassado, ou seja, significa continuidade (de mentalidade)".