Ministro vê tensão com atraso de sistemas de estádios da Copa

Paulo Bernardo fez duras críticas ao SindiTelebrasil, que divulgou nota alertando para as dificuldades de instalação das antenas de celular nas arenas

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

ELZA FIÚZA / AGÊNCIA BRASIL
undefined

O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, manifestou nesta quarta-feira preocupação com o atraso na instalação dos sistemas de comunicação nos estádios que terão jogos da Copa do Mundo - os maiores problemas estão nas sedes de São Paulo, Curitiba e Porto Alegre. Ele admitiu que esses atrasos causam tensão, mas descartou risco de pane nos sistemas durante os jogos. E ressaltou que o sistema de comunicações do País dará conta dos eventos da Copa.

Após audiência na Comissão de Ciência e Tecnologia da Câmara, o ministro fez duras críticas ao SindiTelebrasil, sindicato nacional das empresas de telefonia, que divulgou nota alertando para as dificuldades de instalação das antenas de celular nos estádios e riscos de mau funcionamento do serviço durante os jogos da Copa. Para Paulo Bernardo, as declarações do sindicato das empresas ajuda a tornar mais "emocionante o quadro, mas não resolve o problema". Ele sugeriu que há razões comerciais por trás do alerta do SindiTelebrasil.

"Eles não deveriam nem ficar falando essas coisas. Isso acontece em aeroporto e em outras áreas. O SindiTelebrasil precisa fazer um esforço para instalar", afirmou o ministro. Segundo ele, as empresas estão montando uma sala nos estádios, com uma central de equipamentos, para dar vazão ao uso de celulares e de rede de pontos de Wi-Fi durante dos jogos. Para Paulo Bernardo, há uma briga sobre quanto as empresas vão pagar para colocar antenas nos estádios da Copa. "Vira um problema comercial. Talvez por isso o SindiTelebrasil tem dado essas declarações", criticou.

ESTRESSE - Paulo Bernardo disse que tem certeza que a parte do serviço que a Telebrás fará nos estádios para a transmissão dos jogos vai funcionar. Mas ponderou que há muito estresse, como ocorreu na Copa das Confederações, no ano passado, quando a instalação terminou pouco tempo antes da competição realizada em seis cidades brasileiras. "É evidente que isso deveria ter sido evitado. É uma situação emocionante no mau sentido, com poucos dias para colocar os equipamentos e fazer os testes", admitiu.

De acordo com ele, a preocupação é de todos, porque as obras atrasaram muito e a infraestrutura de telecomunicações é normalmente instalada depois que os estádios estão concluídos. O ministro ainda lembrou que a Arena da Baixada em Curitiba, por exemplo, só ficará pronta em 15 de maio. "Vamos ter um mês de prazo para instalar", ressaltou.

O ministro informou que a Telebrás vai instalar em cada estádio uma sala de equipamentos com dois anéis de fibra ótica. "Se houver um dano a um dos anéis, o outro vai funcionar", explicou. "Mas há um atraso. E isso causa uma tensão", enfatizou.