Revitalização expulsa 300 lojistas da Pedro II

A previsão é que obras da Sudecap em passeios e bueiros terminem em maio

iG Minas Gerais | bárbara ferreira |

Mudança. Operários instalam nova sinalização na esquina da rua Uberlândia com a avenida Pedro II
DENILTON DIAS / O TEMPO
Mudança. Operários instalam nova sinalização na esquina da rua Uberlândia com a avenida Pedro II

Comerciantes da avenida Pedro II, na região Noroeste de Belo Horizonte, colhem prejuízos com as obras de revitalização da via e a extinção de 600 vagas para estacionamento ao longo dos 8 km de extensão da avenida. Presidente da Associação dos Proprietários e Comerciantes da Regional Noroeste de Belo Horizonte, Lucas Júnior afirmou que desde o início das obras, em janeiro, cerca de 300 empresários abandonaram o local – aproximadamente 27% dos lojistas da via, que segundo a Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL-BH) tem cerca de 1.300 estabelecimentos comerciais.

Empresas que permanecem na via convivem com prejuízos. Sob a condição do anonimato, um funcionário de uma loja de automóveis informou que o faturamento caiu de R$ 70 mil para R$ 30 mil nos últimos 30 dias.

Os dados foram apresentados ontem em audiência sobre a revitalização, na Câmara da capital. O projeto prevê criação de pista exclusiva para ônibus nos dois sentidos da lateral direita da Pedro II e construção de pontos de ônibus cobertos a cada 400 m. Inicialmente a via receberia corredores exclusivos para ônibus do Move (nome dado ao BRT), mas ao fim do projeto tanto os ônibus do novo sistema quanto os convencionais circularão na pista exclusiva.

Segundo Lucas Júnior, a questão sobre as vagas para carga e descarga foi discutida com a Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans) há cerca de 30 dias. “A autarquia sugeriu liberar os trabalhos pela madrugada, mas os empresários entendem que seria perigoso e oneroso. A contraproposta é fazer isso das 10h às 17”, disse.

Intervenção. Nesta etapa, prevista para terminar em maio, estão sendo feitos aumento dos passeios, deslocamento de bueiros e fechamento de ruas transversais.

Saiba mais sobre a audiência pública

Participantes. Presidida pelo vereador Gilson Reis, a reunião contou com representantes da prefeitura, de BHTrans, CDL-BH e associação dos comerciantes.

Reivindicações. A comunidade alega que falta transparência sobre o projeto de revitalização. Eles reivindicam explicações sobre as alterações nas vias e principalmente acesso ao valor gasto e ao cronograma da obra.

Gastos. Na audiência, Márcio Aguiar, representante da Superintendência de Desenvolvimento da Capital (Sudecap), explicou que as obras vão custar R$ 11,3 milhões, previstos no Plano Plurianual de Ação Governamental de 2014 – R$ 9,7 mi do Programa de Aceleração do Crescimento da Copa e R$ 1,6 mi da prefeitura.

Resposta. Coordenadora da Gerência de Planejamento de Mobilidade da BHTrans, Elizabeth Gomes de Moura informou que placas com informações sobre responsáveis e valores da obra serão colocadas nos pontos de ônibus, quando eles começarem a ser feitos.

Ligação

Movimentada. A avenida Pedro II tem um fluxo diário de 68 mil veículos nos dois sentidos e é uma das principais ligações entre o centro da capital e a região da Pampulha.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave